“Vai ter gente que vai achar antigo, mal-educado, vai ter de tudo”, diz Carlos Lombardi sobre Kubanacan

Novela exibida em 2003 e até hoje não reprisada, apesar do sucesso, entra no Globoplay em dezembro

Publicado há 18 dias
Por Cadu Safner
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Se alguém quiser procurar pelo em ovo, vai achar“: assim sintetizou o renomado autor de novelas Carlos Lombardi sobre o retorno de Kubanacan (2003), que entra no catálogo do Globoplay nas próximas semanas, assim como Felicidade (1991) e Top Model (1989).

Para Lombardi, o folhetim que traz a história do desmemoriado Esteban Maroto (Pescador Parrudo), interpretado por Marcos Pasquim, tem um “saborzinho a mais” em sua carreira de mais de quatro décadas. Ao Observatório da TV, o escritor afirma ter ficado feliz com a informação, principalmente pelos fãs que ganham reforço a cada geração.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Eu sei que é uma novela que com o tempo acabou virando cult. Achei isso muito interessante [a entrada no streaming]. Acho que tem a ver com o fato de que é uma novela que começa muito discretamente, depois eu soltei um pouco mais. Mas ela tem um lado científico que é muito raro em novelas. Essa tem um saborzinho a mais que explica um pouco essa tensão. Fiquei muito feliz pelos fãs […] eles estavam querendo e pra mim vai ser bom para matar a saudade. A Globoplay acertou muito colocando novelas“, contou Carlos Lombardi.

Em setembro, o Observatório da TV adiantou em primeira mão que Kubanacan estava entre as cotadas para figurar a lista de lançamentos da plataforma. Por telefone, o autor negou. Hoje, com a repercussão imediata do assunto, Lombardi se mostra surpreso com o engajamento do público jovem.

Acho que porque é eles [Globo] entendem que é uma novela para eles [jovens]. Como espectador, outro dia eu fiz uma maratona das primeiras três semanas de uma novela do Cassiano [Gabus Mendes] que eu tinha uma série de lembranças, que foi Meu Bem, Meu Mal. Eu fiquei espantado como a novela envelheceu bem“.

Responsável por memoráveis histórias como Bebê a Bordo (1888-89), Perigosas Peruas (1992), Uga Uga (2000-2001), Pé na Jaca (2006-2007) e Pecado Mortal (2013-2014), o popular autor reflete se Kubanacan chega a em 2020 em boa forma ou não.

Eu vou saber vendo. Deus queira que sim! Não tenho condição de antecipar o que vai ser. É evidente que essas coisas foram escritas para o público daquele momento. Se alguém quiser procurar pelo em ovo, vai achar. Mas isso é coisa de gente mal-humorada, que é chata em qualquer lugar. Se a novela vai continuar interessante como foi, eu não sei, espero que sim. O público que ela for pegar e também quem eventualmente não assistiu é que vai poder dizer isso. Ela não é uma história escrita em 2020. É uma novela escrita em 2003. Ela vai representar aquela época, da mesma forma que Meu Bem, Meu Mal, do Cassiano, era uma novela pré-celular“, explicou.

Confira a entrevista completa com Carlos Lombardi:

CS – Qual a sensação do retorno de Kubanacan após um incessante movimento na internet?

CL – Me sinto parte da história. Acho que estava na hora mesmo. Fiquei sabendo que vai ter uma do Antonio Calmon. Acho que estava na hora de eu e o Calmon, ambos a dupla das 19h durante mais de dez anos. Acho isso bom, gosto, me sinto feliz de ter o meu trabalho reconhecido.

É um novo tempo, vai ter gente que vai achar antigo, mal-educado, vai ter de tudo. Não estou preocupado com isso. Estou torcendo pra que muita gente se divirta e goste. Relembre bons momentos.

Visualmente vai estar um pouco envelhecido. Não tenha a mínima dúvida. Por exemplo: a cenografia do Meu Bem, Meu Mal vista hoje, é ruim. Na época não era. Então, temos que entender que as linguagens envelhecem, e que obras, principalmente de televisão, representam o momento.

CS – Existe algo de Kubanacan que você traz na lembrança?

CL – O que era de bastidor já ficou no passado. Eu lembro que foi muito trabalhoso. Eu me matei de trabalhar, mas gostei muito de fazer. O ideal era que eu escrevesse um capítulo por dia, mas na verdade eu escrevia seis durante sete dias.

CS – Se fosse reescrevê-la, mudaria algo?

CL – Claro, toda vez que você vai passar a limpo algum projeto, você muda. Se eu tivesse a chance de passar a limpo, tinha algumas coisas que eu mudaria, sim. Eu nunca digo: ‘Ah, não, fica tudo como está’. Na verdade sempre dá para melhorar, imagina! É uma novela a qual você escreve correndo. Mas não é o caso. Agora nós vamos ver o original.

CS – Kubanacan chegará em boa qualidade de imagem e sem cortes?

CL Não tenho a mínima ideia. Não estou envolvido nesse refazer. Então, vou descobrir isso junto com o público.

CS – O que de novelas você tem assistido?

CL – Dramaturgicamente eu achei Meu Bem, Meu Mal melhor agora que naquela época, em 1990. Estupidamente bem escrita. Como a crítica minimizava um pouco o trabalho do Cassiano, o que era um erro, eu sempre digo que Anjo Mau (1976) é uma das novelas mais modernas da televisão brasileira. Foi a primeira vez que a protagonista era uma vilã.

É equivalente o que ele fez no Beto Rockfeller (1969-68). Uma revolução formal. O Meu Bem, Meu Mal não é uma revolução formal, parece um melodrama, mas é um melodrama muito interessante e inteligente. Acho bom a Globo ter essa novela, afinal, é um acervo que é dela.

Mais de Kubanacan

Kubanacan figura entre os clássicos mais relembrados de Carlos Lombardi. Produzida em 2003 e com assinatura de Wolf Maya e Roberto Talma na direção, a novela se passa nos anos 1950 e se passa na fictícia Kubanacan, uma pequena ilha tropical localizada na América Central, no mar do Caribe.

Lá, a língua oficial é o espanhol e as bananas são o principal produto de exportação. Além do já citado Marcos Pasquim, o elenco reúne os nomes de Danielle Winits, Humberto Martins, Betty Lago, Vladimir Brichta, Adriana Esteves, Ângela Vieira, Mário Gomes, Nair Bello, Carolina Ferraz e outros.

Em que pese seu sucesso de audiência, Kubanacan não foi reprisada até hoje, tanto no Vale a Pena Ver de Novo quanto no Canal Viva. Repleta de participações especiais, na tentativa de Esteban de reconstruir suas memórias, a novela foi bem movimentada, como costumam ser as do autor.

Relembre a abertura de Kubanacan:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio