Em série da HBO, Hugo Bonemer vive um pedófilo: “Eu saí chorando daquela cena”

Publicado há 3 anos
Por Leandro Lel Lima
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com uma carreira em ascensão no teatro, no cinema e na televisão, o ator Hugo Bonemer segue em destaque em mais uma produção nacional do canal HBO. Estrelada e produzida por Bruna Lombardi, A Vida Secreta dos Casais traz o universo do sexo, corrupção, poder em tramas mais do que atuais.

Na história Bonemer vive um vilão, Erick Andreazza, filho de um banqueiro, que não mede as consequências em busca de seus desejos.  Talvez a atitude mais perversa até o momento seja o fato do rapaz ter seduzido uma estudante, a dopado durante uma balada e ainda ter feitos fotos da moça seminua.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A série, em sua primeira temporada, reúne um elenco de peso, entre eles, Letícia Colin, Leonardo Medeiros, Paulo Gorgulho, Carlos Alberto Riccieli, Bia Seild, Alejandro Claveaux, entre outros.

Em entrevista ao Observatório da Televisão, Bonemer fala do seu mais novo projeto no teatro, onde dá vida ao ídolo brasileiro no musical Ayrton Senna e também da polêmica cena com uma menor de idade: “Eu saí chorando daquela cena e quando assisti no ar chorei de novo”, revela o ator.

Erick Andreazza é o seu primeiro vilão, e as maldades dele vão além da ganância, passam por questões delicadas como a pedofilia. No episódio do último domingo, 26/11, ele seduziu uma garota, levou ela para uma balada, deu bebida e tirou fotos dela seminua. Como é pra você representar um cara assim? Foi pesado gravar essas cenas?

​Eu saí chorando daquela cena e quando assisti no ar chorei de novo.

Como analisa a relação dele com a família, amigos e dinheiro?

Ele não aprendeu sobre generosidade. O outro não importa. Dinheiro não é preocupação, só um pretexto para se sentir poderoso e a família dele é um título, não um recinto de afeto.

Como surgiu o convite para integrar a série?

Não foi um convite, fui testado pelo Carlos Alberto Ricceli e avaliado pela presidência da HBO Latin e pela produtora Coração da Selva.

Como é trabalhar com a Bruna, Carlos e Kim? 

Trabalhar em família. Estou apaixonado.

A trama está recheada de fatos recentes como corrupção, política e crimes. Realidade e ficção lado a lado…

É impressionante ver que a presidência perdoou a dívida de um banco e assistir a série, meu pai, o banqueiro Edgar Eleno, pedindo apoio do Presidente da República para cobrir sua dívida.

Novos trabalhos na TV?

Tem estreia de Natalia, no Universal Chanel, já no primeiro semestre de 2018. Em dezembro, tem um especial de fim de ano no Netflix da animação Trolls, onde dublo o personagem Tronco. Além disso, a animação vai virar série em janeiro, na Netflix, e estou dublando o personagem em todos os episódios.

Já no teatro você dá vida a um dos maiores ídolos do esporte. Imagino que não deva ter sido fácil passar por tantos testes, mesmo com tantas experiências com musicais, mas o que mais foi complicado para você?

Esse trabalho me exigiu mais humildade, mais garra, mais paciência, muita água e muita fisioterapia.

E você se lembra do dia em que o Senna morreu? 

Sim. Estava em casa, na sala, com meu pai e meu irmão.

Acompanhava a carreira dele? 

Eu era muito novo para ter acompanhado a carreira dele.

O que mais admirava na carreira dele? 

Admiro a vontade de dar o melhor de si dentro da própria profissão, e de buscar ir além dos limites.

Confira o trailer da série:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais