Joel Datena: “Meu pai é linha-dura, mas nunca me bateu”

Em entrevista exclusiva, apresentador da Band fala sobre influência paterna e a criação de seus quatro filhos

Publicado em 9/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Tente adivinhar quem é este apresentador. Ele trabalha na Band, comanda um programa jornalístico, é conhecido pelo temperamento explosivo na TV e tornou-se pai com 20 e poucos anos. A coluna acaba de descrever José Luiz Datena e também seu primogênito, Joel. Titular de dois telejornais, ele se assemelha ao jornalista do Brasil Urgente no sobrenome, na profissão e na relação com os filhos.

Em comemoração ao Dia dos Pais, Joel Datena fala com exclusividade à coluna sobre o lado “paizão” dele próprio e de seu patriarca, que boa parte do público talvez não conheça. Por trás do jeitão briguento, raivoso e contestador, Datena preserva um lado amoroso e presente na criação de seus cinco filhos, alguns com experiência na televisão. Além do mais velho, o apresentador já emplacou os filhos Leticia e Vicente como colegas de profissão.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Meu pai viajava muito por causa do trabalho com jornalismo esportivo, mas sempre foi muito presente e é um cara muito coração. Linha-dura pra caramba, mas nunca encostou a mão na gente, nunca me bateu. Só no olhar resolvia a parada. Sempre foi assim, até hoje. Cresci sabendo respeitar pai e mãe. Ele é muito mais amoroso do que as pessoas imaginam. Meu pai é coração 100%. Fui todo guiado pelos ensinamentos dele, de conduta, seriedade e honestidade”, conta Joel Datena.

O lado durão de Datena aparecia quando Joel aprontava na escola. O apresentador dos matinais Bora SP e Bora Brasil admite que era um aluno problemático e dava dor de cabeça aos adultos. “Aprontei muito, era chato, não assistia à aula, brigava. Fui expulso do colégio. Ou melhor, fui convidado a me retirar”, brinca. Na adolescência, praticou judô e aprendeu a ter disciplina, quando decidiu sair de casa para estudar.

O primeiro “teste de maturidade” de Joel surgiu a chegada do filho, aos 22 anos, mesma idade em que Datena tornou-se pai do primeiro de seus cinco herdeiros. O apresentador admite que o nascimento de André lhe deixou “atordoado”, porém ajudou seu amadurecimento no início da vida adulta. Em seguida, vieram mais dois filhos (uma jovem de 19 anos e um adolescente de 15). O quarto herdeiro, atualmente com cinco anos, é fruto de seu relacionamento com Mel Bessa.

“Ser pai novinho não é mole. De repente, o mundo muda para você e às vezes você não tem condição de assimilar as coisas. Aos 20 anos de idade, você está em formação, busca se colocar no mercado, é uma disputa muito grande. Hoje, com a maturidade que tenho, consigo desenvolver uma relação entre pai e filho diferente”, analisa Joel.

“Meus filhos são meus amuletos, sempre trouxeram sorte para mim. A sorte esteve ao meu lado porque sempre estive junto deles. Em um primeiro momento, fiquei atordoado, mas depois é só felicidade. Filho é só alegria, o sentimento que ele tem com você é algo inexplicável, como temos com eles. É dádiva mesmo, coisa de Deus. A chegada de um filho é para ser comemorada todos os dias”

Joel Datena

Jose Luiz Datena e o filho, Joel Datena (Arquivo pessoal/Joel Datena)

Ao lado do caçula, Joel consegue esquecer as notícias ruins que apresenta em seus programas na Band e na rádio Bandeirantes. Ele descobriu com o filho mais novo (o único dos quatro que mora com o pai) uma terapia inusitada para “limpar” a cabeça do trabalho: desenhos animados.

“Não levo trabalho para casa, tanto que eu tenho feito uma coisa interessante. Quando chego, assisto a desenhos antigos. Nunca fui de fazer isso, e hoje estou fazendo. Assisto ao Pica-Pau, Família Buscapé, Pantera Cor-de-Rosa. São desenhos que mais me ligam à infância, à adolescência. Ali eu desligo desse mundo. Tem sido tão bom para mim. Quando ele chega da escola, deita na cama e continua assistindo comigo. Ele se acostumou tanto que não vê os desenhos modernos. Só assiste aos antigos, é inacreditável”, conta.

Como pai, Joel pratica o que aprendeu sendo filho de Datena: ter, ao mesmo tempo, carinho e autoridade.

“No dia a dia, eu sou bem mais coração mole, nem se compara. Quando precisa ‘pegar’, eu dou uma ‘pegada’ [bronca], tenha certeza disso. É preciso impor limites. Ser pai é um exercício diário. Criar um filho hoje não é fácil. Você se preocupa, e quanto mais você se dedica e os traz para perto mais você fica tranquilo. Trazer perto não é criar uma bolha, porque lá na frente pode não ser legal para ele. Tem que proteger, instruir, mas tentando deixá-lo seguir o próprio caminho para ele aprender de uma forma mais suave, para que o aprendizado não seja tão rude, tão abrupto, como às vezes acontece.”

Joel começou na televisão apresentando um programa sobre pesca, seu hobby favorito. Na Band, já substituiu Datena no Brasil Urgente e foi constantemente comparado ao pai, sendo inclusive apelidado de “Dateninha”. Para o apresentador, o sobrenome famoso não traz pressão alguma. Quando precisou provar sua capacidade, lembrou-se de um dos principais ensinamentos do patriarca: a dedicação ao trabalho.

“Ele sempre falou para mim, desde criança, que o sucesso só vem antes do trabalho no dicionário. Você tem que se dedicar, dedicar e dedicar, para depois conquistar as coisas. Sempre trabalhei demais, cumpri todas as etapas, degrau por degrau, até chegar aqui. Se eu não tivesse esse aprendizado, acho que não estaria aqui. É importante mostrar para a criança, o adolescente, o valor que o trabalho tem. Por mais simples que seja, você tem que se dedicar ao trabalho, porque só a dedicação faz com que você cresça. É um aprendizado grande, passado por ele, que eu carrego”.

Joel Datena

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio