Caldeirão com Marcos Mion troca choro por diversão e faz público esquecer Luciano Huck

Contratado pela Globo, apresentador devolveu alegria ao brasileiro nas tardes de sábado

Publicado em 4/9/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Há quanto tempo o brasileiro não sorria em frente à TV nas tardes de sábado? Neste 4 de setembro, Marcos Mion devolveu a diversão ao dia de descanso da população. Quem assistiu ao Caldeirão pela primeira vez nem imagina que, até uma semana atrás, o programa da Globo era um apanhado de choradeira e “histórias de superação”. Em apenas duas horas, a cria da MTV revolucionou uma atração com duas décadas no ar.

Para falar a verdade, choro teve sim, mas por causa da estreia. Mion mostrou a família no início de seu “Caldeirola” e recebeu elogios de Tiago Leifert no fim do quadro Sobe o Som. O apresentador, em seu primeiro dia se sonho realizado, não conteve as lágrimas. Estas sim, são justificadas, e não aquele festival de olhos marejados inclusive em gincanas, como Quem quer Ser Um Milionário? ou Tem ou Não Tem.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A versão brasileira do Family Feud, aliás, ficou melhor com a presença de famosos e ainda mais divertida com Paulo Vieira, que deu boas-vindas a seu ex-colega de Record com uma imagem de Santa Clara, padroeira da televisão (você soube esse spoiler nesta coluna). “Santo aqui pode”, emendou o comediante, em clara alusão à antiga casa.

Vencedor da competição, o time de Paulo Vieira ainda comemorou com um clássico do “Mionverso”: o “montinho” humano praticado pelo apresentador no Descontrole, da Band. As referências ao passado de Mion seguiram no Sobe o Som, que mistura o Ding Dong (herdado do Domingão do Faustão) com o Covernation (exibido entre 2005 e 2007 pela MTV). E a gincana ainda teve Gretchen, a cereja trash do “Caldeirola”.

Sem sentir o peso da camisa, Mion ganhou de Tiago Leifert a melhor definição de sua estreia na Globo: “Era como se você sempre estivesse com a gente, parece que você está há 30 anos aqui”.

O recém-contratado provou estar completamente à vontade ao zoar o próprio acervo de 56 anos da emissora, na nova versão do quadro “react” que se tornou sua marca registrada na TV. Como no Piores Clipes do Mundo (em que o último bloco era da Pérola Videoclíptica), Isso a Globo Mostra encerrou o Caldeirão. Finalmente, o entretenimento mais barato da MTV chegou à líder de audiência.

Marcos Mion precisou apenas de uma parede verde (chroma key) e do acervo de fitas do canal, que até criou um bastão personalizado com seu símbolo para o apresentador apontar erros e bizarrices da programação global. Em apenas 15 minutos, fomos brindados com análises de Tony Ramos peladão e Ana Maria Braga pedindo Thiago Oliveira em casamento. O Brasil sorri.

Após duas horas de diversão, alegria e gargalhadas, fica a pergunta: o Caldeirão do Huck realmente existiu? Como Marcos Mion ainda não tinha sido contratado pela Globo? A emissora terá coragem de tirar do ar o “Caldeirola” do “Mionzera” em dezembro? A chefia que se cuide, porque a cria da MTV chegou para ficar.

Siga o colunista no Twitter e no Instagram.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio