Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Caso Eloá

Britto Jr. considerou “boa ideia” Ana Hickmann pedir “tchauzinho” de criminoso ao vivo

Crime brutal foi televisionado de maneira sensacionalista pela imprensa

Publicado em 14/10/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Há exatos 13 anos começava o Caso Eloá, um sequestro em Santo André-SP que culminou no assassinato de Eloá Cristina, de 15 anos, pelo ex-namorado Lindemberg Fernandes Alves, após uma desastrada negociação da polícia militar. Ao longo daquela semana, emissoras televisionaram toda a situação da maneira mais cruel e sensacionalista, atrapalhando o trabalho da corporação.

Situação essa que virou um pontos mais lembrados do caso e tema de estudos e de um documentário. Logo que o sequestro começou, jornalistas de todas as partes se deslocaram para o lugar onde o crime de cárcere privado acontecia, inclusive a imprensa internacional também desembarcava no Brasil e se iniciava, a partir de então, uma extensa cobertura na TV, no rádio e na internet.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Na guerra pela audiência e por um furo de reportagem, tudo saiu de controle e os programas passaram a interferir de maneira direta no caso. Programas de entretenimento, como A Tarde é Sua, da RedeTV!, e Hoje em Dia, da Record TV, exploravam incessantemente o caso com análises e opiniões antiéticas e irresponsáveis.

Sendo assim, todas as antecipações e movimentação da polícia, Lindemberg ficou sabendo em tempo real pela TV e isso fez com que ele ganhasse um empoderamento muito grande e controle sobre tudo, tanto é que passou a fazer exigências para canais de TV.

Numa dessas, o matutino da Record TV, com uma câmera fixa exibindo a janela do apartamento em que Eloá e sua colega, Nayara Silva, eram feitas de reféns, apresentou ao vivo um dos momentos mais lamentáveis e escabrosos da história dos programas de televisão.

Ana Hickmann chegou a pedir ao sequestrador para que ele aparecesse e desse um “tchauzinho” para o programa e, como não bastasse, também encorajou as vítimas a acenar à imprensa e confirmar que estavam bem. “É uma boa ideia, Ana Hickamann“, respondeu Britto Jr, jornalista e colega da apresentadora.

A condenação de Lindemberg

Lindemberg foi condenado a mais de 90 anos de prisão pelo assassinato da ex-namorada, e por mais 11 crimes cometidos durante o sequestro. Ele confessou ter atirado nas reféns, mas alegou que disparou após se assustar com a explosão da bomba pelo Gate. Posteriormente, a Justiça reduziu sua pena para 39 anos.

Como tudo aconteceu

Lindemberg manteve Eloá e outros três colegas de escola dela como reféns – Nayara, Iago e Victor Campos. Depois, os dois meninos foram libertados.

Nayara chegou a ser solta por Lindemberg em 14 de outubro de 2008, mas dois dias depois voltou ao cativeiro por orientação da Polícia Militar (PM) para tentar resgatar Eloá. A ação não deu certo e ela acabou sendo feita refém novamente junto com a amiga.

Quatro dias depois, no dia 17 de outubro de 2008, o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) explodiu uma bomba e invadiu o local. Os policiais fizeram isso depois de escutar um ruído que seria um tiro.

Antes da entrada da PM, o sequestrador ainda conseguiu balear Nayara, que sobreviveu, e deu dois tiros em Eloá, que morreu. Depois se soube que o barulho que os policias escutaram era de uma mesa sendo arrastada.

SIGA ESTE COLUNISTA NAS REDES SOCIAIS: INSTAGRAM E TWITTER

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....