Reinaldo Gottino fala de seu retorno ao Balanço Geral e à Record TV: “Senti falta do palco em que eu atuava”

Jornalista esteve alguns meses fora, durante passagem pela CNN Brasil

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Reinaldo Gottino é considerado hoje um dos maiores comunicadores do Brasil. E um exemplo claro disso é o seu êxito no comando do Balanço Geral SP, no qual coloca a atração da Record TV à frente da TV Globo quase que diariamente.

Em uma conversa franca com a coluna, Gottino falou de sua passagem pela CNN Brasil, na apresentação do CNN 360 com Daniela Lima, e seu retorno à emissora de Edir Macedo. A seguir, confira o papo com esse comunicador de primeira: 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

ANDRÉ ROMANO – Quem é o Reinaldo Gottino?

REINALDO GOTTINOUma pessoa comum, que gosta do que faz. Que gosta de trabalhar. Um cara feliz em se comunicar com as pessoas.

AR – Como surgiu a comunicação em sua vida? 

RGEu comecei ouvindo um radinho de pilha. Me apaixonei pelo rádio. Com 15, 16 anos fui atender telefone em uma rádio. A amiga das minhas irmãs trabalhava lá. Eu me apaixonei profissionalmente. Fui estudar jornalismo, fiz curso de locução e fui parar em 1999 na CBN. Depois veio a TV.

AR – Qual foi a maior lição que você tirou durante esse período pandêmico?

RGQue ninguém é melhor do que ninguém. Que somos todos iguais. Que precisamos viver em comunidade e que temos que valorizar as pequenas coisas do dia a dia. O simples passeio no parque. A caminhada. O se reunir com amigos. Tudo isso tem muito valor. Torcendo demais pela vacina para todos, pra retomarmos a vida.

AR – Você sentiu algum receio em relação a esse período da quarentena?

RGEu trabalhando na TV, acabei sentindo menos. Meus familiares sofreram demais. Os jornalistas lá, como sempre, estão ligados profissionalmente aos principais momentos da história.

AR – Você foi responsável por colocar no ar o canal de notícias CNN Brasil. Entretanto, após alguns meses como apresentador do canal, em dois telejornais diários, você optou por voltar ao comando do Balanço Geral SP. Você se arrepende de algo? O que o fez voltar para a Record TV?

RGFoi uma experiência única e maravilhosa que jamais vou esquecer. Fui, fiz bem feito meu trabalho, mas senti vontade de voltar. Senti falta do palco em que eu atuava. Do meu público e do estilo de televisão que eu fazia. Voltei a fazer e estou muito feliz.

AR – No meio artístico, você é conhecido como uma espécie de Fausto Silva, já que além de talentoso, é uma pessoa generosa. Você acha que essas duas virtudes são a receita de seu sucesso no comando do Balanço Geral SP?

RGEu não sei. Eu não tenho uma receita. Eu tento ser eu mesmo. Eu sou assim. Eu gosto de um ambiente de trabalho agradável. Passamos muitas horas juntos. Mas eu também sou um pouco chato. Perfeccionista. Cobro. Mas sempre com muito respeito.

AR – Como é o carinho do público?

RGEu vivo uma lua de mel com meu público já faz alguns anos. O carinho é demais! Eu não imaginava que as pessoas gostavam tanto do meu trabalho. Percebi quando saí. E tento fazer o melhor a cada dia para retribuir isso.

AR – Clodovil Hernandes disse uma vez o seguinte: “As pessoas se levam muito a sério. E não percebem que todo mundo tem privada em casa”. Em um dos programas, você começou a apresentação ao som do Raça Negra, e se tornou meme. Você acha que não se levar a sério seria uma das receitas de sucesso?

RG A internet nos levou a perceber que um monte de famoso não vale a pena seguir e um monte de anônimo vale muito a pena. As redes sociais aproximaram as pessoas. Então brincar, descontrair, divertir faz parte. Mas tem a hora de falar sério também.

AR – Alguém já puxou o seu tapete? E como você reagiu?

RG Uma vez puxaram o meu tapete e me tiraram de uma posição que era minha. Passou um ano e eu estava na posição de novo. Sem ter derrubado ninguém, sem ter prejudicado ninguém. Só descobri depois. Foi uma decepção. O que é nosso, vem até nós. Fé em Deus e vamos nessa!

AR – Fausto Silva deve deixar neste ano o comando do Domingão do Faustão. Você acha que ele deixará uma lacuna na forma de fazer televisão?

RG Eu acredito que ele deve acertar com outra emissora. Conversei com o Faustão recentemente e fiquei boquiaberto, de tanto que ele entende de televisão. De estratégia, de formato, e de todos os canais. Ele ama televisão. Vai continuar e com os melhores patrocinadores.

AR – Como você lida com o ego exacerbado do meio?

RG Eu posso falar por mim. Eu tento ser a mesma pessoa sempre. Respeitar as pessoas sempre e seguir na minha. Quero apenas trabalhar, fazer o meu bem feito e viver minha vida da melhor maneira possível.

AR – Qual é o seu maior sonho?

RG Meu sonho é ver os filhos dos meus filhos. Poder curtir com a minha esposa a nossa vida e poder viver esse momento.

AR – Em sua opinião, o que você considera como o mal desse século?

RG Pergunta difícil. Eu acredito que a ansiedade. As pessoas estão ansiosas,  desejando tudo, com muita rapidez, muitas vezes sem necessidade. E a ansiedade provoca frustrações, provoca depressão, provoca problemas emocionais. Temos que controlar melhor isso.

AR – Você pensa em apresentar um programa de auditório?

RG Não! Gosto do que eu faço, e de segunda a sexta. (risos) Jornalismo, diário, ao vivo, um pouco de entretenimento e muitas histórias da vida real.

AR – Se você pudesse deixar uma mensagem para a posteridade, qual deixaria?

RG Faça o certo, até dar certo! Deu certo comigo!

AR Qual é o mundo que você sonha para os seus filhos?

RG Um mundo mais politizado e menos polarizado. Um mundo mais vivido em comunidade, onde as pessoas pensem mais nas pessoas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio