TV no Mundo | Confira como emissoras estrangeiras cobrem eleições

Publicado há 2 anos
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O assunto desta semana, do TV no Mundo, é bem interessante: a cobertura das eleições, na TV aberta, aqui, no Brasil e, claro, mundo afora. Para ficar mais legal, vamos manter o foco nas eleições presidenciais. A gente tem cinco redes grandes e elas, claro, têm o dever de informar seus telespectadores sobre a corrida pelo Planalto. Mas será que elas fazem isso bem?

Bom, mais ou menos, todas cobrem as eleições. E possuem estratégias diferentes para informar o seu público. No último pleito, por exemplo, a Redetv e a Band ficaram no feijão com arroz, de sempre. Colocaram no ar programas especiais em que puderam avaliar os resultados.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja também: Novelas épicas ganham espaço no Brasil e no mundo

Já Record e SBT optaram por estratégias bem distintas. A rede da Barra Funda focou sua cobertura no horário nobre, dentro do Domingo Espetacular. O SBT, incrivelmente, jogou a maior parte da cobertura madrugada e se limitou a flashes na programação.

A maior emissora do Brasil, supostamente, a segunda do mundo, apresentou boletins informativos durante o dia e os resultados foram apresentados no Fantástico, que abriu um segmento para as eleições. Então, dá para a gente dizer que os canais brasileiros são bem conservadores, com uma estrutura razoável para a cobertura de segundo turno de uma eleição presidencial.

Lá fora

Em países como França, Reino Unido ou Estados Unidos, a coisa fica um tanto diferente. O interesse do telespectador é outro, também. Ao invés de manter a programação normal, como o SBT faz com o programa Silvio Santos, por exemplo, os canais estrangeiros costumam derrubar a grade regular e realizar uma ampla cobertura.

Nos Estados Unidos, por exemplo, as redes abertas ABC, NBC, CBS e FOX dedicam todo o horário nobre para análises e reportagens. Tudo isso com esses gráficos modernos e estúdios exclusivos. Há uma competição equilibrada pela melhor cobertura. O mesmo acontece com os canais de notícia: Fox News, CNN e MSNBC. Eles têm uma audiência na casa de milhões de telespectadores e realizam um trabalho caríssimo.

Você deve estar pensando que seria injusto comparar o maior mercado de TV do mundo com o brasileiro. Então, vamos para um mercado mais ou menos similar. A França. Os canais TF1, France 2 ou M6 também costumam realizar amplas coberturas, com muitas análises e tudo com uma qualidade plástica muito interessante. A luz, a fotografia e o jogo de câmeras são mais modernos do que os que se usam, aqui, no Brasil.

E mesmo no Reino Unido, com a BBC, ITV, Channel 4 e 5, que tem programações diferentes e rígidas, no dia de uma votação importante, não há espaço para a programação regular, nada é mais importante do que a eleição.

Mais exemplos

Vamos ao Chile. Os canais lá mudam sua programação dominical a partir das seis da manhã e passam o dia cobrindo a eleição. Tudo isso com estúdios e gráficos mais modernos. Já no México, as redes todas, inclusive, o Las Estrellas, da Televisa, também dedicam o horário nobre do seu domingo para cobrir a eleição. Sem a interrupção de reportagens sobre outros temas.

Apesar da ampla cobertura realizada pelos canais brasileiros, editorialmente, eles se dizem isentos e limitados aos fatos. O trabalho realizado no Brasil, nas emissoras abertas não envolve um aprofundamento maior nas problemáticas do país. E, muito menos, há espaço para o contraditório. Diferentemente do que se vê no exemplo maior do telejornalismo por aqui, a CNN.

Por hoje, é isso. Se você gostou, curta o vídeo, compartilhe, deixe sua opinião nos comentário. E não se esqueça de ativar o sininho para saber quando novos vídeos estiverem disponível por você. Obrigado e até a próxima.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio