#TBTdaTelevisão: na Semana da Criança, algumas novelas infantis

Publicado há 2 anos
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta semana, em mais um #TBTdaTelevisão do Observatório da Televisão, o jornalista Fábio Costa relembra algumas novelas infantis. Produções dedicadas ao público infantil ou infantojuvenil estão presentes na programação desde os primórdios da TV brasileira, na antiga TV Tupi.

As décadas de 1950 e 1960 ofereceram ao público infantil a famosa adaptação do Sítio do Picapau Amarelo, por Tatiana Belinky, além de novelas em dois ou três capítulos por semana. Peter Pan, Angélika, Pinóquio e Oliver Twist foram algumas. Além disso, o Teatrinho Trol também se dedicava aos pequenos.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As várias versões de Carinha de Anjo, sucesso do SBT

#TBTdaTelevisão relembra A Pequena Órfã e outros sucessos feitos para as crianças

Em 1968 se iniciou a trajetória de sucesso de novelas diárias dedicadas às crianças em nossa TV. Foi quando a Excelsior lançou A Pequena Órfã, escrita por Teixeira Filho. A personagem-título era Toquinho (Patrícia Aires), que foi abandonada pelos pais. No orfanato onde vive, é maltratada por Dona Elza (Riva Nimitz). De vez em quando a pequena órfã dá suas escapadas, e numa delas conhece o amoroso Velho Gui (Dionísio Azevedo).

A boa audiência conquistada por A Pequena Órfã motivou as emissoras concorrentes a investirem em projetos semelhantes. RecordTV, Band e Tupi também produziram novelas que apresentavam como protagonistas crianças maltratadas. Em 1970/71, Meu Pé de Laranja-lima foi ao ar pela Tupi. Haroldo Botta e Cláudio Corrêa e Castro marcaram nos papéis do pequeno Zezé e seu amigo, o Portuga. Posteriormente, outras duas versões da história foram produzidas, pela Band. A saber, Alexandre Raymundo e Caio Romei viveram Zezé nas outras versões. Ao passo que Dionísio Azevedo e Gianfrancesco Guarnieri deram vida ao Portuga.

O feliz ciclo infantil do SBT

Após o sucesso de Chispita, em 1984, e mais algumas novelas para crianças até os anos 1990 – das quais a mais lembrada é Carrossel, exibida pela primeira vez em 1991 -, o SBT dedicou nos anos 2000 pelo menos um horário apenas para histórias infantis. O ápice da tendência se deu de 2012 para cá, quando a faixa nobre das 20h30 passou a ser dedicada a produções para crianças, uma após a outra. Não apenas Carrossel, como também outras histórias já exibidas pelo SBT em suas versões mexicanas – Carinha de Anjo, Cúmplices de Um Resgate – ganharam roupagem nacional.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio