#TBTdaTelevisão: A volta de Terra Nostra no Viva, editada

Publicado há 2 anos
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta semana, o #TBTdaTelevisão relembra a novela Terra Nostra, de Benedito Ruy Barbosa, que estreia nesta quinta-feira no Canal Viva. Fábio Costa trata de aspectos da história e apresenta curiosidades acerca do projeto, que foi de um jeito e seria de outro.

Veja também: “Pegou todos de surpresa”, diz Glória Pires sobre adiantamento de Éramos Seis

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A história de Terra Nostra

Terra Nostra tem início no final do século 19, época da chegada de muitos imigrantes ao Brasil. Num navio com milhares de viajantes, o casal Matteo (Thiago Lacerda) e Giuliana (Ana Paula Arósio) se conhece. Ele não tem ninguém no mundo, ao passo que ela está com os pais, Giulio (Gianfrancesco Guarnieri) e Ana (Bete Mendes). A família ruma para o Brasil a fim de se encontrar com o velho amigo Francesco Maglianno (Raul Cortez), que enriqueceu em nosso País. Giulio e Ana morrem durante a viagem e têm seus corpos atirados ao mar. No desembarque, Matteo e Giuliana se perdem um do outro.

O rapaz vai trabalhar no interior, na fazenda de Gumercindo (Antonio Fagundes). Enquanto se habitua a lidar com os italianos, o fazendeiro obriga Matteo a se casar com sua filha Rosana (Carolina Kasting). Esta se apaixona pelo rapaz e arma um plano para que todos pensem que o italiano se aproveitou dela. A outra filha, Angélica (Paloma Duarte), deixa de lado sua vocação religiosa para se casar com Augusto (Gabriel Braga Nunes). Filho de Altino (Odilon Wagner), amigo de Gumercindo, ele mantém um caso com a italiana Paola (Maria Fernanda Cândido).

Dona Maria do Socorro, Bartolo e Leonora

A mãe das moças é Maria do Socorro (Débora Duarte), abnegada mulher de quem o marido jamais deixou de cobrar um filho homem, que ela não lhe deu. No entanto, a escrava fugida Naná (Adriana Lessa) o fizera. O capataz Antenor (Jackson Antunes) viaja em busca de Naná e do menino. Para a fazenda também vai o casal Bartolo (Antonio Calloni) e Leonora (Lu Grimaldi). Após momentos de horror no navio, quando a filha pequena quase é atirada ao mar por acreditar-se que a menina havia morrido, o casal se adapta à nova realidade. Bartolo sonha em ter um pedaço de terra para cultivar uvas e fazer vinho, ao passo que Leonora trabalha na cozinha e se torna amiga de Maria do Socorro.

O sofrimento de Giuliana em São Paulo

Giuliana é acolhida por Francesco e levada para sua mansão na Avenida Paulista. A esposa do benfeitor, Madame Janete (Ângela Vieira), despreza os italianos. Apesar de ironicamente ser casada com um. Marco Antônio (Marcello Antony), o filho único do casal, se encanta com a bela moça. Giuliana está grávida de Matteo, como resultado de uma noite de amor durante a viagem. Marco Antônio não se importa com isso e decide se casar com ela, para desespero de Janete. Desiludida com Matteo, em virtude de descobrir onde ele está e que se casou com Rosana, Giuliana aceita o pedido. Com a cumplicidade de Mariana (Tânia Bondezan), a governanta, a madame entrega o filho de Giuliana logo após o nascimento a um convento de freiras.

Francesco e Paola

Além de Giuliana e Matteo, outro casal da novela caiu nas graças do público. Falamos aqui de Francesco e da bela Paola. Infeliz ao lado de Janete, o banqueiro acaba se encantando com a moça, que tem especial dom para a culinária. Especialmente para o macarrão, cuja qualidade se espalha por toda São Paulo. O autor decidiu arriscar unindo o casal com diferença de idade, mas não houve rejeição. Cenas dos dois tomando banho de banheira juntos, por exemplo, foram levadas ao ar. Com efeito, não apenas Francesco encontrou um novo alguém na vida. No decorrer da história, a saber, entra em cena Josué (Juan Alba). Novo cocheiro dos Magliano, ele se envolve com Janete. Todavia, há motivações obscuras para esta sua aproximação.

Veja também: Carolina Kasting relembra personagem em Terra Nostra: “Foi a novela mais emblemática para mim”

A repercussão de Terra Nostra nas duas exibições anteriores, no #TBTdaTelevisão

A novela fez grande sucesso em sua exibição original. Só para ilustrar, foram 221 capítulos, transmitidos de 20 de setembro de 1999 a 3 de junho de 2000. Na década, a saber, houve algumas novelas que igualaram essa marca no horário das 21h: O Clone (2001/02), Celebridade (2003/04) e Senhora do Destino (2004/05). Especialmente a culinária italiana virou moda, assunto de programas do gênero. Com direito até ao licenciamento de produtos como macarrão, molho de tomate e vinho da marca Terra Nostra.

A média geral de audiência da novela poderia facilmente ter girado em torno de 50 pontos ou mais, diante de sua boa repercussão inicial. No entanto, uma fase bastante desestimulante derrubou um pouco os índices, que fecharam na média de 44 pontos. Aliás, é necessário explicar que Terra Nostra, em princípio, teria três fases, e sua trama chegaria até o final do século 20. Época da própria exibição, portanto. Mas o que seria a história da primeira fase acabou sendo esticado para compor não 80 ou 90 capítulos, e sim mais de 200. Claro que havia a chance de ficar desestimulante a certa altura, por mais hábil que seja Benedito Ruy Barbosa.

Reprise acelerada por baixa audiência e novo repeteco editado desde o começo

Em 2004, a novela foi escalada para a sessão Vale a Pena Ver de Novo. A estreia da reprise ocorreu em 10 de junho, substituindo Corpo Dourado, de Antonio Calmon, cartaz das 19h em 1998. O bom desempenho desta à tarde curiosamente não foi repetido pela história de Matteo e Giuliana. A forte concorrência do SBT com novelas mexicanas também não ajudou. Junte-se a isso o período eleitoral e a cobertura dos Jogos Olímpicos. Terra Nostra chegou a ter quase 50 capítulos condensados em cinco na ocasião.

O Canal Viva substituiu Baila Comigo (1981), de Manoel Carlos, pela saga da imigração. Deve confiar nela para manter a boa audiência conquistada pela história dos gêmeos Quinzinho e João Victor (Tony Ramos). Desta vez, Terra Nostra será exibida em 150 capítulos, na mesma versão que é comercializada pela Rede Globo no mercado externo. A motivação são os direitos sobre a trilha sonora. Anteriormente, apenas Dancin’ Days (1978), em 2014, e Bebê a Bordo (1988), em 2018, foram exibidas pelo Viva em versões não integrais. É esperar para ver se a boa audiência da atração anterior será mantida, uma vez que a novela vai na contramão do que boa parte do público do canal deseja ver.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais