Produzida em marcante ano eleitoral, O Salvador da Pátria foi acusada de querer influir nos resultados

Novela de Lauro César Muniz foi produzida em 1989, época da disputa Collor X Lula

Publicado em 16/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No segundo semestre de 1988, com Vale Tudo no ar, o dramaturgo Lauro César Muniz foi designado pela TV Globo para escrever a próxima novela das 20h. Como se sabia que em 1989 ocorreria a primeira eleição presidencial direta no Brasil desde 1960, Lauro criou uma história sobre liderança com fundo político, que expressava suas preocupações daquele momento como criador e cidadão. Assim surgiu O Salvador da Pátria, que o Canal Viva exibe desde o último dia 12 de abril.

O protagonista da história é Sassá Mutema (Lima Duarte), envolvido numa trama política da cidade de Tangará, no interior paulista. Ele fica entre as forças de esquerda e de direita quando o radialista Juca Pirama (Luís Gustavo) é assassinado, bem como a mulher de Sassá, Marlene (Tássia Camargo). Com a suposta cena de adultério, o humilde boia-fria é tido por principal suspeito do duplo homicídio, para “lavar a honra”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Humilde e ingênuo, analfabeto, “primitivo”, como qualificado pela professora Clotilde (Maitê Proença), que desperta seu amor e uma quase devoção, Sassá Mutema foi apontado como símbolo maior a ser utilizado para influenciar as eleições presidenciais daquele ano.

Uns diziam que o fato de Sassá ser altamente manipulável poderia fazer com que Fernando Collor de Mello fosse eleito, ou qualquer outro candidato de centro ou de direita. Já outros apontavam a origem humilde de Sassá e sua ascensão como “salvador da pátria” no enredo da trama como fator que favorecesse Luiz Inácio Lula da Silva, que acabou indo para o segundo turno do pleito com Collor.

A saber, a novela das 19h da época, Que Rei Sou Eu?, de Cassiano Gabus Mendes, também foi acusada de querer favorecer Fernando Collor, através de seu protagonista Jean-Pierre (Edson Celulari). Jovem, bonito, revolucionário, contrário aos luxos de uns poucos privilegiados no reino de Avilan, ele bem que poderia, mesmo que indiretamente, ser identificado com a figura real do ex-governador de Alagoas. Mas nada indica que fosse essa a intenção do novelista.

No vídeo das Curiosidades da TV, nós relembramos aqui no Observatório da TV outras curiosidades da novela O Salvador da Pátria, um dos grandes sucessos da teledramaturgia da TV Globo em todos os tempos. Confira!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio