Minissérie da Globo retratou Juscelino Kubitschek há 15 anos

Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira contaram em 47 capítulos a biografia do 'presidente bossa nova'

Publicado há 7 dias
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nos anos 2000, a TV Globo teve o hábito de exibir nos primeiros meses do ano bem cuidadas minisséries, em geral de época e que retratavam momentos históricos relevantes do Brasil. Em 2006 foi a vez de JK, de Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira.

Na ocasião, a dupla vinha do êxito de Um Só Coração (2004), e Maria Adelaide colecionava produções elogiadas no gênero: A Muralha (2000), Os Maias (2001) e A Casa das Sete Mulheres (2003, com Walther Negrão).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Depois de tratar de São Paulo entre a Semana de Arte Moderna (1922) e o Quarto Centenário (1954) em Um Só Coração, os dramaturgos optaram pela narrativa da trajetória do mineiro Juscelino Kubitschek de Oliveira (1902-1976), presidente da República entre 1956 e 1961, período durante o qual foi construída Brasília, para ser a nova capital do Brasil.

Quem diria que um menino criado com muita dificuldade pela professora primária Júlia (Júlia Lemmertz/Ariclê Perez) venceria na vida, primeiro como médico e depois como político, inclusive chegando ao cargo mais importante do nosso Poder Executivo?

Ninguém na Diamantina que viu Nonô (Wagner Moura/José Wilker), como era chamado, viver até o começo da idade adulta. Por lá valiam os desmandos de gente como o Coronel Licurgo (Luís Melo), obcecado pela sobrinha Salomé (Deborah Evelyn).

Em Belo Horizonte, Juscelino conhecera aquela que viria a ser sua esposa, Sarah (Débora Falabella/Marília Pêra). Filha de político, a moça queria que Juscelino se dedicasse à medicina, mas a vocação para os palanques falara mais alto. Ela então passara a atuar ao lado do marido em ações sociais.

A minissérie contara em 47 capítulos a trajetória de JK, com foco no período que vai de sua eleição para a presidência até o exílio na Europa, a volta ao Brasil e seus infelizes últimos anos de vida, já sob a égide do regime militar que não o via com bons olhos, passando pela construção de Brasília.

Com direção de núcleo (hoje chamada de direção artística) de Dennis Carvalho, a minissérie que falara da vida do ‘presidente bossa nova’, assim chamado por seu espírito modernizador e dinâmico coincidente com o surgimento do movimento musical homônimo, é o tema do TBT da TV do Observatório da TV nesta semana. Confira o vídeo!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio