Jorge Amado e outros campeões de adaptações na teledramaturgia

Alguns dos grandes clássicos renderam mais de uma versão

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A literatura brasileira é uma fonte inesgotável de boas histórias, que apresentam todos os ingredientes para a teledramaturgia se valer em versões, na criação de novelas ou minisséries. Tanto isso é verdade que, em quase 58 anos desde a primeira novela diária por aqui, isso já ocorreu em incontáveis momentos.

Deixando de fora teleteatros e especiais unitários, do tipo Caso Especial, Jorge Amado é o grande campeão em número de obras adaptadas pela teledramaturgia brasileira. O escritor baiano, que tão bem retratou em seus romances o espírito da Bahia e sua gente, teve 10 produções para a TV baseadas em criações suas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Gabriela (em 1975 e em 2012), Terras do Sem Fim (1981/82), Capitães da Areia (1989), Tieta (1989/90), Tereza Batista (1992), Dona Flor e Seus Dois Maridos (1998) e Porto dos Milagres (2001) foram algumas delas.

Também nordestino, o cearense José de Alencar também teve várias histórias suas, clássicos da nossa literatura, adaptadas para novelas e minisséries. Entre elas, As Minas de Prata (em 1966/67), Senhora – que originou as novelas O Preço de Um Homem (1971/72), Senhora (1975) e Essas Mulheres (2005), fora inspirações extraoficiais – e O Tronco do Ipê – que inspirou em parte Sonho de Amor (1964) e uma versão homônima do romance, na TV Cultura (1982).

Gaúcho de Cruz Alta, Érico Veríssimo também teve a ventura de escrever obras que a televisão depois aproveitaria, especialmente a obra-prima O Tempo e o Vento, que a TV Excelsior adaptou como novela em 1967/68 e a TV Globo como minissérie, em 1985, celebrando seus 20 anos no ar com uma superprodução digna do romance em sete tomos.

Isso sem falar em Olhai os Lírios do Campo (1980) e duas produções da TV Cultura no ciclo Tele Romance: O Resto É Silêncio (1981) e Música ao Longe (1982), ambas com adaptação de Mário Prata. O mesmo escritor adaptou também Machado de Assis, que… Veja mais no vídeo das Curiosidades da TV do Observatório da TV desta semana!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio