Escravos na teledramaturgia e sua luta por liberdade: tema do #TBTdaTV da Semana da Consciência Negra

Publicado há um ano
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ainda que não seja feriado na maior parte dos municípios brasileiros, o dia 20 de novembro é marcado pela celebração do Dia da Consciência Negra. Aliás, esta semana inteira é chamada de Semana da Consciência Negra. Na teledramaturgia, não foram poucas as produções que já abordaram o Brasil Império, época em que a escravidão dos negros ainda estava em vigor por aqui. Todavia, algumas delas apresentaram a questão por um viés menos óbvio, e vale a pena recordá-las no #TBTdaTV dessa semana. Os escravos na teledramaturgia nem sempre fugiram à representação de um povo oprimido e sofrido. No entanto, algumas produções também os mostraram como reativos ante os maus-tratos e a desumanidade.

A visão da Abolição por novelas e minisséries

Claro que entre os personagens de novelas e minisséries passadas no Brasil Império sempre há fazendeiros e/ou políticos empenhados na luta contra a Abolição da Escravatura. Para eles, que se danassem os negros, contanto que a economia do Brasil seguisse estável e sustentada por sua força de trabalho. De modo que estes geral e merecidamente são os vilões dos enredos que os apresentam. Ademais, mesmo que os escravos na teledramaturgia sofram muito e tenham suas agruras mostradas pelos enredos, sua postura não foi sempre passiva diante dos maus-tratos, como pode parecer.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sinhá-Moça (primeira versão em 1986 e segunda em 2006) foi uma novela que mostrou a problemática do fim da escravidão, a descrença de fazendeiros como o Barão de Araruna (Rubens de Falco) em relação à República que já avizinhava e os italianos chegando ao interior do Brasil, para substituir a mão-de-obra escrava negra. As últimas cenas da novela são justamente com os negros libertos saindo das fazendas e os italianos chegando no contrafluxo. Libertos, sim, mas sem qualquer garantia de inserção social e subsistência. Jogados à própria sorte.

Cem anos de distância entre os fatos e versões menos
calcadas no senso comum

No final dos anos 1980, muito em virtude dos centenários da Abolição (em 1988) e da Proclamação da República (em 1889), as produções de teledramaturgia que abordaram a época mostraram atitudes dos escravos em nome de sua liberdade. Fugas, revolta organizada e ações coordenadas a fim de deixar o cativeiro foram elementos importantes da minissérie Abolição, cujo último capítulo irá ar no Canal Viva no próximo domingo às 23h45min. Só para ilustrar, esta é sua primeira reprise. E também da novela Pacto de Sangue, exibida em 1989 às 18h.

Políticos abolicionistas e escravagistas em luta no final do século 19

Abolição foi um projeto do diretor Walter Avancini, que criou o argumento e escreveu o roteiro da minissérie com Wilson Aguiar Filho e a colaboração de Joel Rufino dos Santos, além de dirigir. Os protagonistas são Iná Ineran (Ângela Correa), líder espiritual dos escravos da fazenda do Coronel Tavares (Milton Moraes), e Lucas (Luiz Antonio Pilar), apaixonado por ela e liberto pelo coronel como um presente pelos 20 anos de casamento com Emilinha (Martha Overbeck). Iná deseja partir para o embate com os brancos pela liberdade dos negros. Ao passo que Lucas acredita que o melhor é obter a Abolição com diplomacia, negociação e conquista de leis. Essa diferença de visão os separa não apenas no âmbito político, como também no romântico.

Paulino de Souza (Mário Lago) e Barão de Cotegipe (José Lewgoy) (Divulgação)

A classe política tem no Barão de Cotegipe (José Lewgoy) e no senador Paulino de Souza (Mário Lago) dois importantes representantes do escravismo. Ou, na melhor das hipóteses, da abolição apenas num prazo de cinco anos e com polpudas indenizações pagas aos fazendeiros. Aos negros, claro que nada era destinado. Mas havia também os políticos abolicionistas, como Joaquim Nabuco (Luiz Armando Queiroz) e Quintino Bocaiúva (Ivan de Albuquerque). E os militantes negros de destaque, a exemplo de André Rebouças (Jorge Coutinho) e José do Patrocínio (Valter Santos). A Princesa Isabel (Tereza Rachel) sabia que assinar a Lei Áurea seria como assinar um documento marcando o fim do regime monárquico no Brasil. Com efeito, foi isso mesmo que ocorreu, um ano e meio depois da Abolição.

Com Pacto de Sangue, a luta dos escravos na teledramaturgia teve um expoente importante

Regina Braga teve uma oportunidade de assinar uma novela em 1989, quando escreveu Pacto de Sangue para o horário das 18h da TV Globo. Dirigida por Herval Rossano, a produção estreou em 8 de maio daquele ano com seus trabalhos quase concluídos. O juiz Queiroz Antunes (Carlos Vereza), membro do Partido Conservador e seu líder na cidade fluminense de Campos dos Goytacazes, se vê diante de uma experiência inesperada após a perda do filho, Antônio (Marcelo Serrado). Em seu leito de morte, o rapaz pede ao pai que adote o jovem negro Bento (Armando Paiva). De modo que, ao atender o pedido de Antônio, Antunes inicie uma revisão de seus valores, que culmina também no envolvimento amoroso com a professora abolicionista Aimée (Carla Camurati).

A história se passava em 1869, e sua ambientação em Campos a situava num dos centros econômicos da então província do Rio de Janeiro e do próprio Brasil. Num quilombo da região, liderado por Mãe Quitinha (Ruth de Souza), a figura da guerreira Baoni (Ângela Correa) despontava. Dessa forma, Pacto de Sangue mostrava negros menos passivos, lutando por seus direitos e sua liberdade, ao contrário do usual. E usava de tintas fortes para mostrar os maus-tratos e abusos dos brancos contra os negros, especialmente através de personagens como Isabel (Cristina Aché), a filha louca de Antunes, e da família Da Gama, arrogante e racista, liderada por Dona Afrosina (Yara Cortes).

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais