“É mais fácil ser ‘recompensado’ como traficante do que como policial”, dispara Angelique Boyer sobre ‘narconovelas’

Publicado há 3 anos
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Francesa de nascimento e mexicana de coração, Angelique Boyer visitou o Brasil nos últimos dias e se mostrou apaixonada pelo país. A atriz conheceu a gastronomia nacional, descobriu que, por aqui, faz calor no inverno, se encontrou com fãs, participou de programas no SBT e, ainda, conversou com jornalistas.

Ao Observatório da Televisão, Angelique falou o que pensa sobre as mudanças todas que ocorreram na Televisa nos últimos meses, com modificações nos horários, na abordagem e linguagem das histórias e, também, na iluminação e cenografia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“(…) É importante cuidar do público da tarde, das crianças, do público das oito da noite, do público das nove… E é decisão de cada um, às 10, 11 da noite, ver uma novela sobre traficantes de drogas”, avaliou sobre as mudanças nos formatos das telenovelas em espanhol.

Veja também: Autor de A Fórmula, na Globo, Marcelo Saback afirma que séries brasileiras engatinham a nível mundial

A atriz foi crítica ao falar de como algumas tramas ou a própria sociedade tratam um personagem envolvido com o crime, que ganha os louros todos e o papel de protagonista das produções. “Hoje em dia, é mais fácil ser remunerado por ser traficante de drogas do que um policial”, disparou.

Ainda sobre a possibilidade de fazer personagens diferentes do que já fez até hoje, ela foi enfática ao dizer que agora quer interpretar uma “Joana D’arc”: “Uma mulher forte, lutadora, pela verdade, pelo país, pela sociedade. Isso que eu gostaria de fazer agora, que seja muito diferente às novelas românticas, que também me fascinam, eu gosto muito do gênero aspiracional”, concluiu.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio