Com a proposta de falar dos pobres, Brasileiras e Brasileiros ia ao ar há 30 anos no SBT

Projeto foi liderado pelo diretor Walter Avancini e teve em Edson Celulari seu protagonista

Publicado há uma hora
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em 1990, o diretor Walter Avancini deixou a TV Globo após o projeto de uma novela das 18h do qual estava à frente – Rosa, Se For Menina – ser engavetado em favor de Barriga de Aluguel, de Glória Perez. E foi para o SBT, com a tarefa de reimplantar na emissora de Silvio Santos um núcleo de teledramaturgia.

Na ocasião, o SBT não produzia novelas desde o começo de 1986, quando foi ao ar o desfecho de Uma Esperança no Ar, de Dulce Santucci, Ismael Fernandes e Amilton Monteiro. Avancini pretendia implantar em alguns meses três horários de teledramaturgia no SBT – competindo diretamente com a Globo às 18h, 19h e 20h30.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A primeira história, lançada às 18h, foi Brasileiras e Brasileiros, em 5 de novembro de 1990. O argumento era do próprio Avancini, desenvolvido por ele com o dramaturgo Carlos Alberto Soffredini. Sua proposta era centrar uma novela na faixa pobre da população, que luta pela sobrevivência, contra todos os muitos obstáculos para quem vive na periferia.

Edson Celulari, Fúlvio Stefanini e Carla Camuratti viviam os personagens principais de uma história que chamou a atenção, mas logo se perdeu ante um enredo que enfrentou rejeição de boa parcela da audiência. Confira o vídeo do TBT da TV do Observatório da TV sobre a novela!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio