Betty Faria recebe a homenagem da semana no Observatório da TV

Atriz marcou com personagens progressistas e que desafiaram convenções sociais na teledramaturgia brasileira

Publicado há um mês
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sinônimo de talento e beleza desde o começo dos anos 1960, a atriz Betty Faria é a homenageada do Vale a Pena desta semana, aqui no Observatório da TV. Dona de diversas personagens marcantes da nossa teledramaturgia, a atriz tem um currículo invejável.

Quando menos, bastaria dizer que Betty Faria viveu as antológicas Lazinha de O Espigão (1974), Lucinha de Pecado Capital (1975) e Lígia de Água Viva (1980), além do papel-título de Tieta (1989), claro. E da Viúva Porcina na versão censurada de Roque Santeiro, em 1975.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Bailarina em espetáculos de teatro rebolado produzidos por Carlos Machado, Betty aprimorou-se tanto em dança quanto em interpretação e decidiu deixar de ser apenas “aquela que dança” para tornar-se atriz reconhecida. Sem dúvida alguma, ela conseguiu, e não deixou que a beleza de sempre ofuscasse suas capacidades artísticas.

Na televisão, a atriz teve grandes momentos com vários autores, mas especialmente Aguinaldo Silva, Gilberto Braga e Janete Clair deram a Betty parcerias bastante felizes. Sem falar em seus trabalhos no cinema, entre os quais Bye Bye Brasil, O Cortiço, Romance da Empregada e Anjos do Arrabalde. Confira o vídeo:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais