A Gata Comeu é nova versão de A Barba Azul, feita 11 anos antes; relembre outros casos de remakes ‘precoces’

Selva de Pedra teve duas versões em 14 anos, e O Meu Pé de Laranja-lima foi produzida duas vezes em 10 anos

Publicado em 9/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Clássico da década de 1980, A Gata Comeu fez muito sucesso em suas três exibições na TV Globo, em sua reprise no Canal Viva e tem tudo para repetir essa tendência agora, quando passa a integrar o catálogo do Globoplay. Além do que já se viu que nada impede que outras reprises na TV ocorram.

A história de Ivani Ribeiro, que fala do romance da voluntariosa Jô (Christiane Torloni) com o professor Fábio (Nuno Leal Maia), um dos maiores ibopes da faixa das 18h em sua transmissão de 1985, já havia chegado aos espectadores na faixa das 19h em 1974 como A Barba Azul, na TV Tupi, protagonizada por Eva Wilma e Carlos Zara. Se partirmos do final de A Barba Azul para a estreia de A Gata Comeu, são apenas 10 anos e dois meses de diferença.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os telespectadores habituados a remakes produzidos 20 ou mesmo 30 anos depois das versões originais das novelas se espantam, por exemplo, ao saber que Selva de Pedra, grande momento da carreira de Janete Clair, foi regravada pela TV Globo 14 anos depois de sua primeira versão exitosa.

Se em 1972 Francisco Cuoco, Regina Duarte e Dina Sfat viveram o triângulo amoroso de Cristiano, Simone e Fernanda, em 1986 foi a vez de Tony Ramos, Fernanda Torres e Christiane Torloni responderem pelos papéis. Essa nova versão de Selva de Pedra teve a responsabilidade de substituir outro fenômeno de ibope: Roque Santeiro.

Romance de José Mauro de Vasconcelos, O Meu Pé de Laranja-lima já foi adaptado duas vezes para o cinema e três para a TV. As duas primeiras versões da telinha foram escritas por Ivani Ribeiro e produzidas, respectivamente, pela TV Tupi (1970/71) e pela TV Bandeirantes (1980/81).

Maria José Dupré escreveu nos anos 1940 o romance Éramos Seis, cuja versão mais recente foi levada ao ar pela TV Globo em 2019/20. Duas das versões anteriores foram exibidas num espaço de 10 anos, pela TV Tupi: em 1967, com Cleyde Yaconis no papel de Dona Lola, e com Nicette Bruno à frente do elenco, em 1977.

Nesta semana Curiosidades da TV relembra aqui no Observatório da TV outros casos semelhantes – ou seja, novelas que ganharam novas versões ‘precoces’, bastante próximas das originais. Tomou-se como referencial o período de 15 anos, durante o qual costumam ocorrer reprises de uma mesma versão e não mais de uma versão da mesma história – pelo menos hoje em dia. Confira o vídeo!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio