110 anos de Paulo Gracindo, um artista de muitas facetas que marcou a dramaturgia brasileira

Além de um dos nossos maiores atores, ídolo marcou época como apresentador e comediante

Publicado em 10/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nascido em 16 de julho de 1911 no Rio de Janeiro, então Capital Federal, e criado em Alagoas, Pelópidas Guimarães Brandão Gracindo era filho de um influente político, Demócrito Gracindo, e de dona Argentina. Tendo perdido o pai ainda bastante cedo, com menos de 20 anos de idade, o jovem Pelópidas cumpriu até os 20 anos a promessa que havia feito a ele, e manteve-se longe dos palcos e da vida de artista, embora muito a desejasse.

Após algum tempo fazendo teatro mambembe, em 1934 Paulo Gracindo profissionalizou-se ao entrar para a companhia da estrela Alda Garrido. Participou também de companhias lideradas por figuras de destaque como Procópio Ferreira, Dulcina de Moraes e Elza Gomes – esta, sua futura colega na televisão.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ainda nos anos 1930 Paulo Gracindo ingressou no cinema – e fez relativamente poucos filmes, embora em seu currículo conste um clássico da envergadura de Terra em Transe, de Glauber Rocha. O rádio também passou a contar com seu talento nessa época. Em 1939, o ator entrou para o time da Rádio Tupi, na radionovela Serpentes de Bronze; era o mocinho atrapalhado pelo vilão vivido por Paulo Porto.

Não muito depois o artista passou para a lendária Rádio Nacional, onde além de ator consagrou-se como comediante e apresentador, conduzindo por anos a fio um show de auditório chamado Noite de Estrelas. E como Pelópidas virou Paulo? O nome grego era quase impronunciável da forma correta para muitas pessoas, e ao ser um dia anunciado como “Envelope” por uma empregada doméstica, Pelópidas decidiu-se por um nome mais simples.

Na televisão, além do famoso quadro de humor Primo Pobre, Primo Rico, egresso do rádio – junto com Brandão Filho -, Paulo Gracindo consagrou-se com uma série de interpretações marcantes em novelas que estão entre o que se fez de melhor em nossa teledramaturgia.

Tucão em Bandeira 2 (1971), Odorico Paraguaçu em O Bem-amado (1973), Antenor em Os Ossos do Barão (1973), Coronel Ramiro em Gabriela (1975), João Maciel em O Casarão (1976), Padre Hipólito em Roque Santeiro (1985), Vovô Pepê em Mandala (1987), Betinho Figueroa em Rainha da Sucata (1990) e Petrônio Paranhos em Araponga (1990) são apenas alguns dos trabalhos do ator na telinha.

O In Memoriam do Observatório da TV homenageia o saudoso e insubstituível Paulo Gracindo, que completaria 110 anos de idade em 2021 e faleceu em 4 de setembro de 1995, aos 84 anos, após complicações decorrentes de um câncer de próstata. Confira o vídeo!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio