Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
CHIP NO CÉREBRO

Tecnologia da série Ruptura está próxima da realidade, diz neurocirurgião

Pense na possibilidade de nunca mais levar os problemas do trabalho para casa (e vice-versa)

Publicado em 26/03/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

A excelente série Ruptura, disponível no streaming Apple TV+, apresenta uma tecnologia assustadora. Após passar por cirurgia no cérebro, a pessoa é capaz de ter a memória dividida de forma precisa. Ela não leva os problemas do trabalho para casa e vice-versa. Essa intervenção está próxima da realidade, segundo o neurocirurgião consultor da ficção científica.

Dan Erickson, criador da série, e Ben Stiller, diretor, procuraram retratar o máximo de autenticidade possível em Ruptura. Por isso contrataram um especialista em memórias e cérebros, o doutor Vijay Agarwal. Em entrevista ao site Variety, o médico falou sobre a possibilidade do tal procedimento ocorrer na vida real.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

“Ainda não estamos no estágio apresentado na série, mas eu diria que não estamos longe”, falou o doutor perito em neurocirurgia e neurociência. “Hoje, grandes centros acadêmicos e de neurociência são capazes de colocar microcateteres no cérebro. Essas peças ajustam funções como movimento e tremor.”

“Somos capazes de colocar pequenos cateteres no cérebro e ouvir neurônios disparando”, continuou Argawal. “O que o público pode não estar ciente é que estamos muito próximos de implementar esse tipo de tecnologia [apresentada na série].”

O cuidado da produção de Ruptura com a veracidade foi tanto que o médico acabou virando ator.

No segundo episódio, uma cena mostrou a personagem Helly (Britt Lower) passando pela cirurgia para dividir a memória, dando a ela o poder de esquecer a rotina do trabalho. O próprio Argawal encarnou o cirurgião à frente do procedimento, replicando ali o que aconteceria de verdade.

Adam Scott mexe em computador arcaico na série Ruptura

Conheça a série Ruptura

A proposta da série Ruptura é tentadora para muitas pessoas do mundo real. Imagina a possibilidade de você esquecer completamente as horas que passou no trabalho e separar a vida profissional da pessoal. A brisa do drama é fazer exatamente isso com os personagens, em uma produção formidável, do mais alto nível.

No centro da história de Ruptura está a empresa Lumon Industries. No subsolo de um complexo gigante funciona o departamento Macro Data, cujos funcionários passam por cirurgia consensual absolutamente insana.

Um dispositivo é implantado dentro do cérebro com a capacidade de fazer essa divisão na mente entre o que ocorre no trabalho e fora dele, processo irreversível chamado de ruptura. Quem concorda entrar nesse projeto precisa gravar um vídeo afirmando estar ciente da operação.

O ponto de vista da narrativa é do quarentão Mark Scout (Adam Scott), viúvo que sofre com o luto. Ele aceita entrar nesse departamento da Lumon para, pelo menos durante oito horas do dia, não pensar mais na tristeza e no sofrimento da vida pessoal.

Em um belo dia, Mark chega na Lumon chorando, desesperado. Ele enxuga as lágrimas, entra no prédio e pega um elevador. No trajeto de descida até o subsolo, um sinal toca e a mente dele se transforma. Tudo o que viveu fora da companhia é esquecido e ele apenas é mais um funcionário dentro de um departamento burocrático.

O Mark do trabalho vive em loops, pois desconhece os fatos do mundo de fora. E o Mark longe da Lumon sabe muito bem que passou pelo processo de ruptura, porém não faz a mínima ideia da função exercida na empresa. ⬩

____

Conheça a página de séries do Observatório da TV

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....