Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
ANÁLISE

Boca suja, Jennifer Carpenter salva Dexter: New Blood do marasmo

A furiosa Deb dispara palavrões e injeta ânimo na série, disponível no Paramount+

Publicado em 28/11/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

A apática Dexter: New Blood tem algumas cenas raras empolgantes. Criada para corrigir o desastroso final de Dexter (2006-2013), a minissérie é salva pela presença fervorosa da boca suja Debra Morgan, a Deb, personagem vivida por Jennifer Carpenter. A voz da consciência do serial killer titular da trama chega causando, sempre um ponto alto dos episódios.

Com razão e mérito, Jennifer Carpenter escapou das críticas negativas pesadas que Dexter: New Blood sofreu. Mesmo quando a personagem dela estava viva, a atriz era aclamada pelas boas atuações. Agora como um fantasma, Deb rouba a cena toda vez.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Dexter (Michael C. Hall) nutriu uma relação muito próxima com a irmã Deb. O assassino a procurava constantemente, pois um nunca deixou de apoiar e amar o outro. Mesmo policial e detetive especializada em homicídios, Deb não virou as costas para o irmão ao descobrir que ele era um assassino. Ela, inclusive, sequer parou de falar com Dexter.

Essa união bem aguda ajuda a explicar porque Deb, como a atual voz da consciência, aparece com muito mais frequência em Dexter: New Blood do que Harry (James Remar) nos episódios originais.

Deb no bonde sem freio

O mais legal é que Deb surge p* da vida, na maioria das vezes. Uma metralhadora de palavrões, ela não perde a chance de confrontar o irmão na hora da “conversa.” 

Ela já o chamou de louco, psicopata e disse sem medir as palavras que o irmão vai “fo*** a vida do filho“. Isso tudo com muita raiva e gritaria, jogando na cara de Dexter que é ilusão essa vida remida em um lugar remoto: “você é a po*** de um serial killer e vai estragar a vida do garoto por causa disso.

A confrontação agressiva pode até ser útil a Dexter, ter alguém, mesmo inexistente, com a moral de colocá-lo no lugar. É plausível conjecturar que o assassino ficou uma década sem derramar sangue justamente por ter a irmã sussurrando no ouvido, o acompanhando por onde quer que fosse.

Dexter abre uma exceção para ouvir Deb, pois não é afeito a receber conselhos de outras pessoas. Seja como for, o agora vendedor de armas, na missão de se livrar de um assassinato, leva em consideração os esporros da irmã. Mesmo à base de impropérios.

Dexter: New Blood é atração do streaming Paramount+, com novos episódios sempre às segundas.


Siga o Observatório de Séries nas redes sociais:

Facebook: ObservatorioSeries

Twitter: @obsdeseries

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....