Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
ADEUS

Crítica: final feliz e maduro de Insecure completa jornada imperfeita

Comédia da HBO indicada a 11 Emmys conclui a trama da maneira mais adequada possível

Publicado em 28/12/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Desde a estreia, Insecure nunca se preocupou em resolver as inseguranças das personagens da história. O importante sempre foi, acima disso, mostrar como elas reagiriam a essas questões de hesitação e desconfiança inerentes a todo o ser humano. O desfecho da comédia da HBO, encerrada no último domingo (26), completou essa jornada imperfeita com final feliz, afirmando uma maturidade autêntica.

[Atenção: spoilers a seguir]
A quinta temporada chegou com a missão árdua de superar a leva anterior, considerada a melhor da série. Esse status surgiu porque Insecure escolheu minar a amizade genuína de Issa (Issa Rae) com Molly (Yvonne Orji). As picuinhas criadas, umas mais graves do que as outras, proporcionaram grandes momentos entre as duas.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Na quinta e última temporada, Issa e Molly firmaram um pacto de sempre estarem presentes, um compromisso cumprido ao longo dos episódios. Isso ficou claro principalmente no capítulo de despedida. Embora sempre tenha mostrado histórias de amor diversas, Insecure teve como base o verdadeiro relacionamento amoroso, de amigas, entre Issa e Molly.

Para a TV, Issa e Molly são representativas. Elas formaram uma dupla rara de ser vista, duas mulheres negras de pele escura em um elo de amizade comum, de altos e baixos. Foram amigas do tipo de conversar por telefone, ligações motivadas por razões banais ou vitais. O tempo em que tiveram afastadas só serviu como afirmação de que, realmente, juntas cada uma vivia o melhor de si.

Yvonne Orji (à esq.) com Issa Rae em Insecure (Divulgação/HBO)

Maturidade autêntica

A decisão de terminar a série com eventos notórios de uma mulher na casa dos 30 anos, como casamentos e anúncios de gravidez, foi muito boa, oferecendo às personagens um final feliz bem individual. 

E houve maturidade nisso tudo, inclusive por Issa escolher ficar com Lawrence (Jay Ellis) e o filho pequeno dele, fruto de um relacionamento com Condola (Christina Elmore). Issa precisou vencer o medo e se arriscar por quem tinha um sentimento de partilha e amor real. Tal postura é de quem já sofreu muito na vida e está disposta a assumir um lugar de maior responsabilidade.

Vale lembrar que ainda nesta última temporada, Issa viajou na imaginação ao ver Lawrence e Condola juntos em um hospital. No delírio, ela partia para cima dos dois e até atacava o bebê deles.

Insecure provou que é possível terminar uma narrativa em aberto, sem conclusões cravadas em pedra nas jornadas das personagens. Como mesmo disse Prentice Penny em um podcast da The Hollywood Reporter:

“As vidas dos personagens vão continuar na imaginação [da pessoa telespectadora]. E não vamos estar por dentro dessas futuras aventuras [após o final da série]”, contou o produtor. “O fim será como se houvesse uma sexta temporada, com a possibilidade de explorar mais histórias. E isso nos libertou de se preocupar sobre o que seria um final perfeito.”

Indicada a 11 Emmys, incluindo melhor comédia no ano passado, Insecure colocou um ponto final na trama de modo satisfatório. A série da HBO fez história por diversos aspectos, como ter uma curadoria musical impecável, apresentar uma direção de alto nível e um desfile de figurinos e penteados originais, de tirar o fôlego.


Siga o Observatório de Séries nas redes sociais:

Facebook: ObservatorioSeries

Twitter: @obsdeseries

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....