Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
ANÁLISE

Faxina da Netflix resulta em cancelamentos necessários e chega na hora certa

A gigante do streaming precisa cortar gastos; enxugar catálogo de séries é a estratégia ideal

Publicado em 04/05/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Desde o último dia 19, quando anunciou o desastroso balanço financeiro do primeiro trimestre de 2022, projetando um meio de ano ainda pior, a Netflix vive uma crise inédita, de credibilidade e financeira. Recentemente, foram tomadas decisões drásticas para enxugar gastos, de demissão de funcionários a cancelamentos de diversas produções. Essa faxina é mais do que necessária e chega na hora certa.

Como tática de crescimento em meados da década passada, a Netflix investiu muito em séries, então o principal chamariz da plataforma. Tal aposta priorizou a quantidade ao invés da qualidade, culminando em atrações de gosto duvidoso que, consequentemente, não conquistaram o público e foram precocemente canceladas.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Naquele momento era compreensível aprovar a produção desenfreada de séries sortidas. A Netflix precisava engordar o catálogo, pois perdia atrações de sucesso que pertenciam à concorrência. O foco era oferecer opções aos assinantes.

Inverter a fórmula

Hoje, a Netflix é muito mais do que séries. A gigante do streaming se consolidou com bons e variados tipos de atrações, como documentários e reality shows populares, além de filmes premiados. Logo, cortar o excesso de séries, principalmente, é a estratégia ideal. O serviço tornou-se uma oferta repleta de entretenimento e tem bagagem para suprir perdas.

Em um período de quatro dias, na semana passada, a empresa cancelou três séries. Todas elas não causaram qualquer impacto positivo e passaram despercebidas: Raising Dion, Pretty Smart e Space Force.

Executivos da Netflix têm de usar a impaciência no quesito renovação ou reprovação. Se não deu o resultado esperado logo de cara, como Cowboy Bepop, cancela, sem muito tempo (e dinheiro) a perder.

O que a gigante do streaming precisa entender, após esse processo, é que só afaxina não basta: é preciso manter a casa em ordem, limpa e organizada. A onda de cancelamentos só fará sentido para o mercado se vier acompanhada de uma seleção mais criteriosa de novos projetos, invertendo a fórmula atualmente ativa, colocando a qualidade acima da quantidade. ⬩

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....