Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
HINO

Entenda como Running Up That Hill, de Kate Bush, foi parar em Stranger Things

Canção lançada em 1985 está entre as mais ouvidas nas plataformas digitais por causa da série

Publicado em 01/06/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

A quarta temporada de Stranger Things não apenas reviveu uma música de 37 anos atrás, mas a colocou entre as mais ouvidas nas plataformas digitais. A canção Running Up That Hill, da artista britânica Kate Bush, virou o hino da atual leva de episódios da série da Netflix. A produção do drama teen precisou de muito empenho para conseguir a licença, tudo para evitar ouvir um não, o que impediria usar a letra ideal na construção da trama envolvendo a jovem Max (Sadie Sink).

Nora Felder, supervisora musical de Stranger Things, foi quem liderou o processo para obter o direito de Running Up That Hill. Em entrevista ao site Variety, ela reviveu o passo a passo até receber o aval de Kate Bush.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Tudo o que envolve a manipulação de músicas autorais em uma série causa dor de cabeça, seja pelo custo alto (vale muito dinheiro) ou pela burocracia. Pode até parecer algo simples, mas na verdade é um trabalho bem longo, detalhista e que exige dedicação.

A jovem Sadie Sink em cena da 4ª temporada de Stranger Things

A música de Max

O começo de tudo foi achar a música que seria a trilha sonora de Max. Nora e a equipe ouviram muitas canções e selecionaram algumas que tinham conexões com a visão dos Irmãos Duffer (Matt e Ross) para a personagem.

“Eu passei a me alinhar internamente com os elementos mais importantes apresentados pelos Duffers”, disse Nora. “E usei a minha intuição para entender os sentimentos complexos de Max.”

Logo surgiu na pesquisa, feita com músicas lançadas antes de 1986, a melodia celestial e marcante de Running Up That Hill. “Imediatamente me pegou”, confessou a produtora. “Havia alia a possibilidade de fazer uma ligação forte com o lado emocional de Max.”

Definida a música de Max, a próxima etapa foi obter o aval de Kate Bush para o uso em Stranger Things. Foi montado um esboço sobre como a música seria aplicada nas cenas, para deixar claro o contexto. 

A missão seguinte foi encontrar a gravadora dona de Running Up That Hill, que antes era EMI e agora é a Sony. Entra no jogo outra pessoa importante nesse processo, a executiva Wende Crowley, vice-presidente sênior do departamento de marketing, cinema e TV da Sony.

“Kate Bush é bastante seletiva quando se trata de licenciar músicas”, ressaltou Wende. “E, por causa disso, nos certificamos de obter páginas de roteiro e gravações para ela revisar, para que pudesse ver exatamente como a música seria usada.”

Mal sabiam Nora e Wende que Kate Bush é fã da série. A cantora e os representantes dela receberam a equipe de Stranger Things, entenderam a inserção da música na trama e concederam a licença de uso.

O esforço foi válido porque Running Up That Hill mostrou-se perfeita para a cena na qual foi utilizada. [Atenção: spoilers a seguir]

Fita cassete de Kate Bush que aparece em Stranger Things 4

Música que salva

Antes de chegar na cena-chave, exibida no final do quarto episódio da quarta temporada, é preciso compreender o significado da letra de Running Up That Hill e o porquê dela fazer tanto sentido para Max, a ponto de ser a música favorita dela.

O tom de voz angelical de Kate Bush na canção da new wave, em conjunto com uma melodia serena, alivia o coração da garota. De certa forma, ela carrega o peso da culpa após perder o irmão, Billy (Dacre Montgomery), que na temporada anterior se sacrificou para salvar Max e Eleven (Millie Bobby Brown).

Um trecho da música que se repete, quase como um mantra, diz: “E se eu apenas pudesse / fazer um acordo com Deus / Eu faria com que Ele me colocasse no seu lugar”. Justo ou não, Max tem esse sentimento de ser responsável pela morte de Billy.

No episódio em questão, Max visita o túmulo de Billy e lê uma carta que escreveu para ele. “Às vezes, eu me imagino correndo até você e te afastando [da morte]. Imagino que se eu tivesse feito isso, você ainda estaria aqui.”

Poucos segundos depois, o espírito de Vecna toma conta do corpo de Max. O vilão da vez tem como alvo adolescentes que carregam algum tipo de trauma, culpa ou passam por um momento confuso.

Vecna usa poderes psíquicos para entrar na mente dos jovens, joga uma maldição neles e assim suga toda a energia das vítimas, ficando mais poderoso. Em cada lugar que ele mata alguém cria-se um portal para o Mundo Invertido.

Após uma investigação, Nancy (Natalia Dyer) e Robin (Maya Hawke) descobrem que a música pode acabar com o feitiço de Vecna. No cemitério onde Max está, Dustin (Gaten Matarazzo) recebe essa informação e pergunta para Lucas (Caleb McLaughlin) qual a música favorita de Max. Ele pega uma fita cassete de Kate Bush, Dustin a insere em um walkman e coloca o fone de ouvido em Max.

A tática realmente funciona. A melodia e letra de Running Up That Hill, sobre o poder das relações e conexões com as pessoas, chegam no inconsciente de Max. Como diz a canção, ela corre, corre em direção da saída daquele pesadelo. Ela escapou da morte por causa da música (com direito a uma ótima atuação de Sadie Sink).

Veja o clipe original de Running Up That Hill, de Kate Bush:

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....