Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
IMPERDÍVEL

Crítica: Tokyo Vice é acerto da HBO Max por revigorar fórmula dos dramas policiais

Gravada em Tóquio, nova produção do streaming da Warner Discovery hipnotiza

Publicado em 15/04/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

No mundo das séries, os dramas policiais são os mais populares, seja o diabo investigando crimes (Lucifer) ou o infalível modelo tradicional das franquias NCIS e FBI. Apostando em um novo olhar, a HBO Max acertou com a hipnotizante Tokyo Vice, que apresenta um ambiente bem diferente do comum. A trama foca em um jornalista criminal atrás de grandes reportagens. O Japão do final dos anos 1990 serve de pano de fundo.

Acrescente a mítica Yakuza no bolo e uma direção cinematográfica caprichada para chegar na imperdível Tokyo Vice, atração revigorante cuja primeira temporada tem oito episódios, com lançamentos de capítulos inéditos toda quinta-feira.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

A série é inspirada em história real, baseada no livro homônimo publicado em 2009. Nele, o jornalista Jake Adelstein narrou como foi ser repórter policial no maior jornal do mundo, o Yomiuri Shinbun, se envolvendo com a máfia japonesa e detetives.

Tokyo Vice não é uma cópia página por página do livro. Mas a essência é a mesma. No drama, Jake Adelstein é interpretado por Ansel Elgort (filme Amor, Sublime Amor, de 2021). Natural do Meio-Oeste americano, ele vive em Tóquio e está enraizado na cultura japonesa.

Ansel Elgort em cena de Tokyo Vice

Jake se dedica para conseguir uma vaga no Meicho Shimbun, jornal fictício que emula o Yomiuri. Uma vez dentro da redação, ele sofre por ser estrangeiro, lutando pela chance de escrever reportagens relevantes. Vale de tudo, até se arriscar tentando obter fontes de dentro da polícia e ficar cara a cara com o crime.

Essa adaptação do nome do jornal é um dos truques de Tokyo Vice em mesclar a história fictícia com a real, se descolando assim da necessidade de ser um retrato documental do livro. A primeira chefe de Jake na série, a rígida Eimi Maruyama (Rinko Kikuchi), sintetiza um pouco de cada editor com quem o jornalista trabalhou no Japão na vida real, por exemplo.

O diferencial de Tokyo Vice

O fato de ter sido toda gravada no Japão, nas ruas e becos estreitos de Tóquio, dá para Tokyo Vice um ar especial. A produção e reconstituição de cenas são de primeiro nível. O telespectador quase tateia o clima vibrante da cidade.

A série se destaca logo no primeiro episódio, dirigido por Michael Mann, aclamado vencedor do Oscar e nome da alta prateleira em Hollywood. Ele dá o tom do que será visto no restante da trama. E por mais que só tenha feito esse capítulo, o cineasta esteve presente nos bastidores na função de produtor executivo.

Há uma narrativa atraente em Tokyo Vice, combinando o trabalho jornalístico com o policial. A dobradinha deu muito certo e a série equilibra bem a hora de um aparecer em detrimento do outro. ⬩

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....