PRODUÇÃO NIGERIANA

Cartões-Postais, nova minissérie da Netflix, é uma boa ideia mal executada

Uma análise dos altos e baixos de uma produção repleta de potencial e desafios

Publicado em 03/05/2024

Em um cenário nigeriano e indiano, a série Cartões-Postais, estreia da Netflix desta sexta-feira (3), mergulha na jornada emocional de quatro personagens em busca de amor, aceitação e autodescoberta. Prometendo explorar os desafios pessoais enfrentados por seus protagonistas, a produção, no entanto, é uma narrativa de altos e baixos, onde a luta pela felicidade é obscurecida por uma execução desarticulada e recheada de clichês.

Cartões-Postais segue a jornada de Olumide, um homem de passado romântico tumultuado; Siddharth e Zainab, um casal cuja felicidade conjugal é desafiada; a tia Bunmi, que busca alegria apesar da solidão; e seu filho Yemi, aspirante a dançarino. Todos convergem para Mumbai, cada um com suas próprias esperanças, medos e desejos. Enquanto enfrentam os desafios da vida na cidade, suas histórias entrelaçam-se de maneiras inesperadas, revelando a complexidade das relações humanas e os altos e baixos da busca pela felicidade.

De acordo com a crítica do Flixlândia, embora as histórias individuais dos personagens da série sejam intrinsecamente interessantes e repletas de potencial, a execução da série deixa muito a desejar. A narrativa fragmentada e desconexa dificulta a imersão do espectador nas histórias, tornando difícil se envolver emocionalmente com os personagens. A produção, composta por seis episódios de cerca de 30 minutos, parece esticada além do necessário, com cenas prolongadas e drama exagerado que distraem da essência das histórias.

Outro ponto fraco de Cartões-Postais é a falta de coesão na narrativa. Embora os temas abordados sejam universalmente relevantes, como amor, família e autodescoberta, a forma como são apresentados carece de fluidez e conexão. As resoluções dos conflitos muitas vezes parecem convenientes e pouco desenvolvidas, minando o impacto emocional das histórias. Além disso, as atuações e os diálogos deixam a desejar, com interações que muitas vezes parecem forçadas e carentes de autenticidade.

Por fim, a trama do casal Siddharth e Zainab, apesar de promissora, é prejudicada por um desenvolvimento lento e previsível. Enquanto lidam com questões sérias em seu casamento, a falta de profundidade na exploração desses temas deixa os espectadores insatisfeitos e desconectados dos personagens. Da mesma forma, a jornada de Yemi em busca de sucesso como dançarino é ofuscada por uma série de cenas repetitivas e sem sentido, que contribuem pouco para o desenvolvimento da história.

© 2024 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade