Camila Queiroz, Sérgio Guizé e Rodrigo Lombardi se reencontram no Altas Horas

Serginho Groisman, Camila Queiroz e Rodrigo Lombardi no Altas Horas
Publicidade

Quando o trabalho se mistura com amizade, as memórias e os resultados têm grandes chances de serem positivos. O Altas Horas deste sábado, dia 04, tem alguns desses exemplos. De um lado, Camila Queiroz reencontra amigos de seus dois primeiros trabalhos na televisão. Rodrigo Lombardi, com quem contracenou em Verdades Secretas, e Sérgio Guizé, que esteve em Êta Mundo Bom. Do outro lado, o reencontro de Compadre Washington e Beto Jamaica com Sheila Mello traz as lembranças animadas dos hits de É o Tchan.

Lombardi, que pode ser visto em Carcereiros, fala sobre a alegria que foi contracenar com a ex-modelo. “Maurinho (Mauro Mendonça Filho, diretor da série) tinha me mostrado testes das meninas que poderiam ser a Angel, e fiquei chocado com o teste da Camila. Ela chegou nos workshops com aptidão, mas ainda com algumas dúvidas, o que é normal. Mas o bonito foi ver o quão rápido ela foi entendendo e absorvendo as informações”, elogia o ator.

Leia também: Monique Evans se declara para Cacá Werneck: “Completamente apaixonada”

Continua depois da publicidade

Ela, por sua vez, agradece por ter encontrado grandes talentos logo de cara. “O elenco estava se preparando há muito tempo e com muita vontade de fazer, e eu morrendo de medo. A turma era muito boa”, comenta a atriz. Ao ver Guizé em um dos palcos da atração, onde ele se apresenta com a banda Tio Che, Camila logo diz que ele é um “irmão”. Ambos começam a falar com o sotaque tão característico que eles usavam na novela.

Serginho Groisman e Grupo É o Tchan no Altas Horas
Serginho Groisman e Grupo É o Tchan no Altas Horas (Divulgação/ TV Globo)

É o Tchan participa do Altas Horas

Nos anos 1990, o grupo É o Tchan extrapolou os limites da Bahia e ganhou notoriedade no Brasil inteiro com o seu axé. E, em 1998, Sheila foi eleita a nova loira do grupo. Este fato marcou a carreira da bailarina, da banda e também de quem os acompanhava.

“O É o Tchan tinha um legado, que era levar alegria, e isso sobrevive até hoje. As pessoas lembram dessa alegria e fico muito feliz em fazer parte disso e de uma banda em que a dança ganhou status de protagonista”, avalia Sheila. “A nossa música atravessou fronteiras, até hoje a juventude está curtindo”, completa Compadre Washington.

Publicidade
© 2021 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade