William Bonner relembra uso das redes sociais e lamenta: “Aquilo é um campo de batalha agora”

O jornalista fala sobre ter recebido o apelido de tiozão

Publicado há 4 meses
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na noite deste sábado (8), a TV Globo exibiu a edição do Altas Horas que teve William Bonner, editor-chefe e apresentador do Jornal Nacional, como um dos entrevistados. O jornalista relembrou o período que usava o Twitter e fez uma análise sobre o que virou a rede social.

“Quando eu cheguei, em 2008 ou 2009, aquilo era uma fonte de diversão, eu me divertia muito ali. Tem gente que fica intelectualizando o que eu fiz, diz que eu criei um personagem de ‘tiozão’. Eu não fiz nada disso. Eu entrei lá e comecei a trocar mensagens com as pessoas”, contou o famoso.  

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Eu sou um tiozão! Eu tenho 57 anos hoje, tinha 47 na época. Estava lidando com jovens de 16, 17 anos, às vezes até menos. Eles achavam um barato o cara do Jornal Nacional fazendo graça. Mas agora a graça acabou. Aquilo é um campo de batalha agora”, lamentou o profissional.

Bonner comentou também sobre a forma como os telespectadores estão mais atentos aos telejornais. “As pessoas ficam olhando para mim, para a Renata [Vasconcellos], para outros profissionais que fazem a mesma coisa, em busca de um esgar, de um tom de voz, de um olhar que traia um sentimento”, avaliou.

“No caso do momento que vivemos, da pandemia, é totalmente compreensível que queiram um sentimento, porque querem um afago. É um momento em que nós todos, diante do que estamos vivendo, 100 mil mortes, queremos o mínimo de cumplicidade”, concluiu William.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio