Vilão em A Que Não Podia Amar, Julián Gil explica sucesso da novela no Brasil: “Combinação de um elenco de primeira”

Intérprete de Bruno também fez sucesso por aqui em Sortilégio

Publicado em 22/9/2019
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O ator Julián Gil, de 46 anos, no ar através da novela mexicana A Que Não Podia Amar, na qual interpreta o vilão Bruno, explicou em entrevista exclusiva ao jornalista Cadu Safner, sobre os motivos que levou a trama de José Alberto Castro a ser um grande sucesso por aqui.

Para o astro argentino, a junção de nomes de peso e representatividade no mercado, responde muita coisa. “A combinação de um elenco de primeira e uma excelente direção e produção. Nos bastidores, sempre houve uma grande parceria, o apoio de todos e muitos momentos de aprendizado junto aos grandes profissionais”, disse.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O galã, hoje considerado um dos nomes mais fortes no México, garantiu que cada personagem do qual interpretou, tem uma importância muito grande em sua vida.

“Cada personagem para mim é um desafio, seja protagonista ou vilão. Minha responsabilidade em aceitar um personagem é cumprir o propósito de comunicar, transmitir emoções, sentimentos e uma mensagem que vai além do entretenimento.

Todos os personagens que interpretei me deixaram com muito boas lembranças. De cada um, você aprende a ver a vida de uma perspectiva diferente da sua.”

Em Sortilégio, Julián interpretou Ulisses, um bissexual que gerou discussões e causou alvoroço entre o público e a mídia. Ele avalia com positivismo o mercado atual e suas abordagens sobre o tema, além de garantir que não é assediado pelo público em suas redes sociais, tampouco faz questão de carregar algum título como o de símbolo sexual.

“Desde Sortilégio vejo que já há muito mais aceitação de trabalhos que antes eram considerados ‘proibidos’. Ainda existem pessoas que não aceitam a diversidade dos seres humanos.

Sempre haverá pessoas que criticam, não importa qual o seu papel, e isso deve ser entendido e aceito. Até o momento, não senti ‘assédio’. E sobre a referência ao símbolo sexual, é algo que você não decide, é algo que as pessoas pensam e decidem por você”, contou ele, que atualmente movimenta cerca de 2,8 milhões seguidores no Instagram.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio