Vanessa Giácomo se emociona ao falar da mãe já falecida no Tamanho Família

Publicado em 02/07/2017

Neste domingo (02), foi ao ar o último episódio da temporada do programa Tamanho Família, que recebeu as famílias de Mariana Ximenes e Vanessa Giácomo, que se emocionou ao falar sobre sua mãe falecida em 2013.

Leia também:“Comecei a entender o lado deles” comenta Vanessa Giácomo sobre policiais civis

“Minha mãe sempre foi minha melhor amiga, minha confidente. Eu estava ensaiando para fazer uma novela que era Amor à Vida, e não sei como tive força para continuar. Acho que busquei força nisso, porque mesmo doente no hospital ela dizia ‘Minha filha, você vai fazer tão bem essa novela, vai dar tudo certo, vai ser tudo lindo’, mas é uma perda irreparável. É uma saudade que não dá pra dizer, porque tudo me lembra. As vezes quando acontece alguma coisa boa quero ligar pra alguém, até quando ela tinha acabado de falecer, eu chegava a ligar pra ela e lembrava que ela não estava mais lá, então foi muito difícil cair essa ficha em mim. Meus amigos amavam minha mãe, quando eu era criança ela chegou a se vestir de palhaço por mim”

Marcio Garcia mostra foto de Vanessa Giácomo e sua mãe na infância (Reprodução)
Marcio Garcia mostra foto de Vanessa Giácomo e sua mãe na infância (Reprodução)

A atriz que é uma das protagonistas da novela Pega Pega, falou que após a morte da mãe, estreitou laços com sua tia e madrinha, Yvete: “Acho que madrinha ocupa esse lugar deixado pela mãe, essa é a importância de aceitar ser madrinha quando alguém lhe convida. Ela me manda mensagem todos os dias. As vezes ela manda “bom dia” e não respondo e ela manda “você ainda me ama?”. Ela é muito carinhosa e sempre muito presente. Não só ela como outras tias que sempre me deram suporte, e me ligavam principalmente em datas que elas sabiam que eu ficaria mais triste. Eu estou conseguindo passar por isso.”

Vanessa Giácomo
Vanessa Giácomo ao lado do pai Paulinho e da tia Yvete no Tamanho Família (Reprodução)

Vanessa também se derreteu ao falar da importância do pai em sua criação e na criação de seus 3 filhos, Maria, Moisés e Raul: “Minha mãe era muito alto astral e cativava todo mundo, levamos pra vida esses valores e construímos os nossos. Essa educação do início da vida é muito importante. Meu pai é muito carinhoso com os meninos, com a Maria então, ele baba nela por ser menina e por ser a menor. Ele me fazia dormir quando eu era criança, me cantava uma música que toda vez que escuto me dá uma saudade boa. Eu canto para os meus filhos outras músicas, e eles ficam olhando e adoram.”