“Um desejo antigo”, diz George Moura, autor da versão hispânica de Amores Roubados, agora no Globoplay

A história é livremente inspirada no livro A Emparedada da Rua Nova, do jornalista Carneiro Vilela

Publicado há um mês
Por Cadu Safner
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Adaptação hispânica da minissérie de sucesso da TV Globo, Amores Roubados, escrita por George Moura e com direção de José Luiz Villamarim, a série O Fogo da Paixão estreia no Globoplay nesta terça-feira, dia 27.

A história, livremente inspirada no livro A Emparedada da Rua Nova, escrito pelo jornalista e fundador da Academia Pernambucana de Letras, Carneiro Vilela, é protagonizada por Margarita Rosa de Francisco, conhecida no Brasil como a Gaivota de Café com Aroma de Mulher, exibida pelo SBT em 2001, 2005 e 2014.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No elenco, além de outros nomes conhecidos do universo latino como Carlos Ponce e Gaby Espino, está também o brasileiro Marcelo Serrado, que dá vida a Thiago, personagem interpretado por Thierry Tremouroux na versão brasileira.

Jason Day e Margarita Rosa de Francisco em Jugar con Fuego (Foto: Divulgação/Telemundo)

Confira uma entrevista com George Moura:

– O Fogo da Paixão é uma adaptação em espanhol da sua minissérie Amores Roubados . O que você acha que torna a obra universal?

A série Amores Roubados (2014), em 10 capítulos, é uma livre adaptação de um romance ‘A Emparedada da Rua Nova’ do escritor pernambucano Carneiro Vilela (1846-1913), que originalmente foi publicado como folhetim semanal, num jornal do Recife, entre os anos de 1909 e 1912.

Só depois, a obra virou um livro, na verdade um calhamaço. É uma clássica história de um Don Juan, que ao se envolver com três mulheres, termina por se embrenhar numa trama vertiginosa de paixão e morte.

A ideia da adaptação foi deslocar a trama do século XIX para os dias atuais, preservando o tom do folhetim e usando o sertão do nordeste como espaço simbólico para falar dos conflitos entre o moderno e o arcaico.

Desejo, amor e morte são temas universais desde os primórdios da dramaturgia, já com o teatro grego.

Marcelo Serrado, Margarita Rosa de Francisco e Luis Alverte em Jugar Con Fuego (Foto: Arquivo Pessoal)

– Aliás, como é ver uma obra ter tamanha repercussão e atingir diversos públicos?

É uma felicidade pode ver a estreia desta versão hispânica do ‘Amores Roubados’ agora no Globoplay. Quando fomos a Miami para o lançamento da série, ficamos impressionados com a força da produção e comunicação da história no público americano.

É bom para nós e para o país voltar a saber que o Brasil pode ser visível pela força da sua cultura e da sua arte e não apenas pelas chamas que destroem suas florestas.

– O que você achou da adaptação? Qual a principal diferença para Amores Roubados?

Jugar Con Fuego foi uma experiência inédita para todos nós. A supervisão do roteiro e a supervisão artística foi realizada por nós e tínhamos a palavra final sobre a série, junto a Tele Mundo.

Revisei todos os capítulos com reuniões periódicas em Miami e também na Colômbia, onde fomos acompanhar parte das filmagens. 

O Fogo da Paixão estreia nessa segunda (27), no Globoplay (Divulgação: Globoplay)

– O que Amores Roubados, que também está no Globoplay, representa na sua carreira?

Foi um divisor de águas para todos nós que fizemos. Um desejo antigo, pois tinha lido o livro quando ainda morava no Recife nos anos 80. Quando esse sonho se realizou nos fez falar sobre o nordeste profundo e suas contradições tão brasileiras e atuais e também nos fez falar do Sertão, que é a geografia que tenho grande paixão. Afinal o sertão está dentro de nós, como dizia Guimarães Rosa.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio