TV Cultura reapresenta Roda Viva com Celso Furtado

A reapresentação celebra o centenário do economista

Publicado há 2 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Neste domingo (26), a TV Cultura presta tributo a um dos mais importantes intelectuais brasileiros: o economista Celso Furtado. Ex-ministro de dois governos, embaixador e autor de mais de 30 livros, ele completaria 100 anos em 26 de julho de 2020.

Para homenageá-lo, a emissora exibe uma edição especial do Roda Viva realizado em 1987 com Furtado. Vai ao ar na TV Cultura à 0h, de domingo para segunda-feira, e também no canal do YouTube e Facebook da emissora, no sábado (25), às 19h.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Autor do clássico Formação Econômica do Brasil, de 1959, Celso Furtado comandava o Ministério da Cultura quando foi entrevistado no Roda Viva. O programa marcante foi mediado pelo então apresentador Rodolpho Gamberini e contou com participação, na bancada, da atriz Irene Ravache; do diretor teatral José Celso Martinez, o Zé Celso; do produtor cultural Fernando Bicudo; do empresário José Mindlin; do arquiteto Jorge Wilheim; e dos jornalistas Milton Coelho da Graça, Etevaldo Dias, Marco Antônio Lacerda, Matinas Suzuki Jr. e Marcos Augusto Gonçalves.

Celso Furtado

Nascido na Paraíba, Furtado estudou na França e na Inglaterra na década de 1940. Em 1959, no governo de Juscelino Kubitschek, foi o criador da Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste).

Pouco depois, na gestão de João Goulart, tornou-se ministro do Planejamento. Com o golpe de 1964, foi cassado e partiu para o exílio no Chile e, depois, nos Estados Unidos, onde se dedicou a pesquisas na Universidade de Yale.

Após a redemocratização, em 1985, Celso Furtado foi nomeado embaixador do Brasil junto à Comunidade Econômica Europeia, em Bruxelas. No ano seguinte, foi convidado pelo presidente José Sarney para assumir o cargo de ministro da Cultura, função em que atuou por dois anos e meio.

Eleito para a Academia Brasileira de Letras em 1997, Furtado faleceu em novembro de 2004, vítima de parada cardíaca, em sua casa, no Rio de Janeiro.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais