TV Cultura reapresenta Roda Viva com Celso Furtado

A reapresentação celebra o centenário do economista

Publicado há 6 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Neste domingo (26), a TV Cultura presta tributo a um dos mais importantes intelectuais brasileiros: o economista Celso Furtado. Ex-ministro de dois governos, embaixador e autor de mais de 30 livros, ele completaria 100 anos em 26 de julho de 2020.

Para homenageá-lo, a emissora exibe uma edição especial do Roda Viva realizado em 1987 com Furtado. Vai ao ar na TV Cultura à 0h, de domingo para segunda-feira, e também no canal do YouTube e Facebook da emissora, no sábado (25), às 19h.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Autor do clássico Formação Econômica do Brasil, de 1959, Celso Furtado comandava o Ministério da Cultura quando foi entrevistado no Roda Viva. O programa marcante foi mediado pelo então apresentador Rodolpho Gamberini e contou com participação, na bancada, da atriz Irene Ravache; do diretor teatral José Celso Martinez, o Zé Celso; do produtor cultural Fernando Bicudo; do empresário José Mindlin; do arquiteto Jorge Wilheim; e dos jornalistas Milton Coelho da Graça, Etevaldo Dias, Marco Antônio Lacerda, Matinas Suzuki Jr. e Marcos Augusto Gonçalves.

Celso Furtado

Nascido na Paraíba, Furtado estudou na França e na Inglaterra na década de 1940. Em 1959, no governo de Juscelino Kubitschek, foi o criador da Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste).

Pouco depois, na gestão de João Goulart, tornou-se ministro do Planejamento. Com o golpe de 1964, foi cassado e partiu para o exílio no Chile e, depois, nos Estados Unidos, onde se dedicou a pesquisas na Universidade de Yale.

Após a redemocratização, em 1985, Celso Furtado foi nomeado embaixador do Brasil junto à Comunidade Econômica Europeia, em Bruxelas. No ano seguinte, foi convidado pelo presidente José Sarney para assumir o cargo de ministro da Cultura, função em que atuou por dois anos e meio.

Eleito para a Academia Brasileira de Letras em 1997, Furtado faleceu em novembro de 2004, vítima de parada cardíaca, em sua casa, no Rio de Janeiro.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio