TV Cultura exibe documentário sobre Inezita Barroso

Publicado há um ano
Por Felipe Brandão
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Realizado em 2018 pela equipe da TV Cultura em parceria com o instituto Itaú Cultural, o documentário Inezita vai ao ar pela primeira vez na televisão, em 4 de março, às 22h45, na TV Cultura. Nesse dia, a dama da música raiz e apresentadora do Viola Minha Viola completaria 95 anos.

A parceria entre a TV Cultura e o Itaú Cultural se iniciou na sequência da Ocupação Inezita Barroso, realizada pelo instituto em 2017, e teve a sua primeira exibição na 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo (MIC). O filme, dirigido por Helio Goldsztejn, com roteiro de Fabio Brandi Torres, apresenta a história da cantora Inezita Barroso (1925-2015), que desafiou família, preconceitos, a própria época em que começou a carreira e até o universo de um gênero musical.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Inezita venceu várias batalhas ao longo da vida e sempre carregou a bandeira da preservação da música de raiz, abrindo caminho para que outras mulheres também pudessem cantar e tocar viola. Se hoje a presença feminina é cada vez maior na música caipira, muito deste mérito se deve a ela.

Inezita somou mais de 60 anos de carreira – quase 35 deles à frente do Viola, Minha Viola, programa que se tornou espaço único de defesa da música caipira. Como apresentadora, comprou várias brigas por admitir apenas a presença de artistas que procuravam manter a tradição do gênero musical que abraçou. Não admitia, por exemplo, baterias e teclados no palco da atração.

À sua jornada na televisão e às apresentações musicais como cantora, Inezita Barroso somou outras atividades: foi atriz de cinema – tendo ganhado o Prêmio Saci de Melhor Atriz de 1955, dirigida por Alberto Cavalcanti –, pesquisadora, folclorista, radialista e professora universitária. Poucos sabem, mas em sua trajetória de cantora, ela não foi motivada somente pela música caipira, mas também pelo samba. Para Paulo Vanzolini, foi a melhor intérprete do gênero no País.

Participaram do documentário com depoimentos sobre Inezita as atrizes Ruth de Souza, Nicette Bruno e Eva Wilma, o ator Ary Toledo, o violeiro Paulo Freire, que foi o curador da Ocupação Inezita Barroso, o musicólogo e jornalista Zuza Homem de Mello, o jornalista José Hamilton Ribeiro e os cantores Mary e Marilene Galvão, Renato Teixeira e Roberta Miranda.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio