Troca de corpos, ‘Escrava Isaura’ made in Colômbia e Terra Nostra a la mexicana: as novelas latinas dubladas que você nunca viu

Publicado há 10 meses
Por Felipe Brandão
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na segunda parte desta matéria especial (confira a primeira clicando aqui), abrimos ainda mais o leque em torno das novelas latinas dubladas em português, porém ainda inéditas no Brasil. Selecionamos produções da Televisa – e também de outras produtoras hispânicas – que, mesmo tendo tudo a ver com o público tupiniquim, jamais tiveram a chance de ser conferidas por aqui.

Um levantamento inédito, que você confere somente aqui, no Observatório da Televisão!

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Vamos aos títulos:

Angelique Boyer vive noiva assassina na novela Amar a Morte (Divulgação / Zap Novelas)

Amar a Morte (2019)

Uma das queridinhas do público do SBT, Angelique Boyer encabeça o elenco desta inusitada trama de misticismo e mistério, centrada num tema bastante comum no cinema, mas pouquíssimo explorado no universo das telenovelas: a troca de corpos.

No dia do seu casamento com a interesseira Lúcia (Boyer), o rico empresário Leon Carvajal (Alexis Ayala) é assassinado a mando dela e de seu amante, Johnny (Alejandro Nones). Um estranho evento sobrenatural, porém, faz com que a alma de Leon reencarne no corpo de Macário Valdez (Michel Brown), um matador de aluguel que acaba de ser executado na cadeira elétrica.

Habitando um corpo que não é o seu e ainda por cima perseguido pela polícia, Leon (Michel Brown) consegue retornar à sua antiga casa, onde, sob uma identidade falsa, consegue trabalho como motorista e busca vingança contra seus assassinos. O que ele não sabe é que a alma de Macário também encontrou um novo corpo que ocupar – o do professor de antropologia Beltrão Camacho (Arturo Barba) – e está em seu encalço.

William Levy e Maite Perroni repetem em Triunfo do Amor o par de Cuidado com o Anjo (Divulgação)

Triunfo do Amor (2010)

Mesmo sem ter alcançado bons índices de audiência na TV mexicana, esta releitura do clássico O Privilégio de Amar (1998) chamou bastante a atenção no mercado internacional. Pudera: os protagonistas agora são Maite Perroni e William Levy, repetindo o par romântico que fez sucesso em Cuidado com o Anjo (2007).

A órfã Maria Desamparada (Perroni) – sim, o nome é esse mesmo! – tem o sonho de ser top model e acaba conseguindo uma oportunidade no ateliê da exigente e implacável Vitória Sandoval (Victoria Ruffo). A relação das duas azeda depois que Maria se envolve com o enteado de Vitória, o sedutor Max (Levy). No decorrer da história, Maria e Vitória descobrem que, além de patroa e empregada, são mãe e filha.

Triunfo do Amor foi um dos primeiros títulos da Televisa a despertar o interesse do grupo africano Zap, que o transmitiu em 2012 para Angola e Moçambique, com dublagem paulistana. A história, nesta mesma versão em português, integrou durante um bom tempo o catálogo da Netflix aqui no Brasil, mas jamais chegou à TV local.

Maite Perroni dá uma de ‘Betty, a Feia’ em Antes Muerta Que Lichita (Divulgação / Televisa)

Antes Morta Que Invisível (2014)

E, por falar em Maite Perroni, é ela a protagonista desta impagável comédia romântica que, embora vendida como uma história original, quase se pode considerar outra das incontáveis adaptações de Betty, a Feia, com a qual guarda inegáveis semelhanças. Foi dublada no Brasil pelos estúdios Universal Cinergia, em parceria com a Wood Video, para exibição exclusiva na rede angolana Canal Eva.

A protagonista desta novela é Lichita (Perroni), uma publicitária competente, porém ingênua, atrapalhada e nada charmosa, que busca se destacar dentro da renomada agência de propaganda Icônica. Em busca de dinheiro para reaver a guarda do filho pequeno, o malandro Roberto (Arath de la Torre) rouba algumas ideias de Lichita e consegue uma promoção que seria para ela. Pouco a pouco, porém, a heroína consegue se reerguer e volta em busca de vingança contra todos que a prejudicaram e humilharam – inclusive Roberto, por quem, apesar de tudo, acabou apaixonada.

Silvia Navarro e Juan Soler estrelam remake de clássico mexicano (Divulgação / Televisa)

Quando Me Apaixono (2010)

Adaptação livre do clássico A Mentira (1998), traz a grande atriz Silvia Navarro (Meu Coração é Teu, Amanhã é Para Sempre) no centro de uma trama de intrigas e desencontros amorosos. ‘Aportuguesada’ originalmente pelo estúdio Cinema Dubbing, de Miami, para exibição no africano Canal Eva, teve uma segunda dublagem encomendada no ano passado pelo SBT, com possibilidades de estrear ainda este ano pela emissora de Silvio Santos.

A vida do professor universitário Jerônimo Linhares (Juan Soler) vira de cabeça para baixo quando, recém-chegado da Espanha, é informado da morte de seu irmão Rafael (Sebastián Zurita), que supostamente teria se suicidado após ser abandonado pela noiva. Acreditando ter sido Renata (Navarro) a responsável indireta pela tragédia, Jerônimo casa-se com ela com o intuito de vingar-se, mas apaixona-se pela moça. O que o protagonista nem imagina é que, na verdade, seu irmão foi assassinado por Josefina (Rocío Banquells), mulher que roubou Renata na maternidade e tem-se feito passar por mãe dela.

Aracely Arámbula e Danna Paola são mãe e filha que disputam o mesmo homem em Rosa de Ferro (Divulgação / Telemundo Internacional)

Rosa de Ferro (2016)

Embora não se trate de uma produção da Televisa – porém da Telemundo, a mesma de Betty, a Feia, em Nova York -, esta trama dramática e violenta traz entre seus protagonistas atores bastante conhecidos no Brasil, como Aracely Arámbula (Abraça-me Muito Forte) e a ex-atriz mirim Danna Paola, antiga protagonista dos sucessos infantis Maria Belém (2001) e Amy, a Menina da Mochila Azul (2004) e hoje estrela da série Élite, da Netflix.

A história gira em torno de Altagracia Sandoval (Arámbula), uma mulher que, na adolescência, foi vítima de um brutal estupro coletivo na cidade interiorana onde morava. Anos depois, convertida em uma empresária milionária, fria e implacável, ela usa todo o dinheiro e poder que conseguiu para buscar vingança contra seus violadores, assassinando-os a sangue frio um a um.

Nessa odisseia, Altagracia acaba conhecendo Saul Aguirre (David Chocarro), um advogado honesto e idealista, que a faz redescobrir os prazeres do sexo e do amor. Por ironia do destino, vai disputar o coração dele com ninguém menos que Mônica (Danna Paola), filha que abandonou no passado, por ser fruto do estupro que tanto a traumatizou.

Rosa de Ferro – cujo título original é La Doña (A Dona) – esteve disponível há alguns anos no catálogo da Amazon Prime Video, com dublagem em português assinada pelo estúdio The Kitchen, de Miami. Nessa mesma versão, foi ao ar pelo continente africano pela Telemundo Internacional. A Telemundo estreia nos próximos dias a segunda temporada da obra, que contará com a participação do ator brasileiro Leandro Lima (Belaventura, Dancing Brasil).

Gabriela Spanic e Arturo Peniche são os protagonistas de A Intrusa (Divulgação / Televisa)

A Intrusa (2001)

Novela produzida há quase duas décadas, com o intuito de reeditar o êxito de A Usurpadora (1998). Não o conseguiu, tornando-se um retumbante fracasso de audiência tanto no México como nos demais países em que foi ao ar. Mesmo assim, despertou rapidamente o interesse do SBT, que encomendou sua dublagem para exibi-la por aqui, o que jamais aconteceu – e, ao que tudo indica, tampouco deve ocorrer futuramente.

Virgínia (Gabriela Spanic) é uma mulher séria e recatada que recebe uma proposta inusitada do patrão moribundo, Rodrigo Junqueira (Enrique Lizalde): casar-se com ele a fim de, após sua morte iminente, poder administrar sua herança e salvar os seis filhos do chefe da ruína financeira. Por gratidão a Rodrigo, Virgínia aceita, dando início a uma série de confusões que envolvem também a paixão da moça por Carlos Alberto (Arturo Peniche), um dos filhos de Rodrigo, e a difícil relação dela com a vulgar Vanessa (Gabriela Spanic), sua irmã gêmea.

Nerea Camacho protagoniza a novela colombiana A Escrava Branca (Divulgação / Zap Viva)

A Escrava Branca (2016)

Outra produção off-Televisa, esta trama colombiana do canal Caracol Televisión foi um sucesso internacional, que guarda semelhanças com uma das novelas brasileiras mais emblemáticas de todos os tempos: A Escrava Isaura (1976 / 2004). Disponível legendada no catálogo brasileiro na Netflix, foi dublada nos estúdios Alcateia, situados em São Paulo e no Rio de Janeiro, para exibição no canal angolano Zap Viva.

Em 62 capítulos, a trama retrata a escravidão dos negros na Colômbia na primeira metade do século XIX (19), através da figura de Vitória Quintero (Nerea Camacho), cujos pais abolicionistas são assassinados por inimigos políticos. A heroína é resgatada por alguns escravos e criada num quilombo, de onde é ‘resgatada’ posteriormente para se integrar à ‘civilização’.

Anos depois, Vitória regressa adulta à Colômbia, sob a identidade da marquesa Lúcia de Penalver (Nerea Camacho), para vingar a morte de seus pais e lutar pela liberdade do povo de que, sem importar a cor da pele, considera fazer parte. Em paralelo a isso, envolve-se em um triângulo amoroso com o traficante de negros Nícolas Parrenho (Miguel de Miguel) e o valente escravo Miguel (Orián Suárez), seu amigo de infância e filho ilegítimo de Parrenho.

Esmeralda Pimentel e José Ron fizeram o sucesso de Apaixonada por Ramon (Divulgação / Televisa)

Apaixonada por Ramon (2017)

Esmeralda Pimentel, a Kênia de Abismo de Paixão, protagoniza esta simpática comédia romântica, que rompeu recordes de audiência na TV mexicana dois anos atrás. Seu par na história é José Ron, o Gustavo de A Que Não Podia Amar.

A história tem início com a morte de um casal de milionários, que, ao invés de naturalmente deixar seus bens para as duas filhas, Fabíola (Esmeralda Pimentel) e Andrea (Claudia Martín), nomeia como herdeira a humilde Joana (Marisol del Olmo), empregada da casa. Toda essa confusão acabará propiciando o nascimento de uma doce história de amor entre Fabíola e o trabalhador Ramon (José Ron), filho de Joana.

Livia Brito e José Ron estrelaram espécie de ‘Terra Nostra mexicana’ (Divulgação / Televisa)

A Noiva Italiana (2014)

Outro folhetim estrelado por José Ron, desta vez ao lado de outra grande estrela da Televisa: Livia Brito, a romântica Paloma de Abismo de Paixão. Com produção assinada por Pedro Damián, o mesmo da versão mexicana de Rebelde, foi ao ar em 2015 pelo canal angolano Zap Novelas, com dublagem do paulistano Estúdio Sigma e o título não-traduzido de Muchacha Italiana.

Brito interpreta Fiorella, uma jovem que se criou na Itália e, necessitada de dinheiro para operar o coração de sua irmã Gianna (Ela Velden), aceita um casamento por interesse no México com um homem bem mais velho, Vittório Dragone (Enrique Rocha). Ao chegar lá, porém, acaba descobrindo um amor inesperado nos braços do charmoso Pedro (José Ron). Praticamente uma Terra Nostra (1999) made in México, não?

Romance entre professora e agente secreto não repetiu o êxito de Meu Coração é Teu (Divulgação / Televisa)

Sonho de Amor (2016)

Esta turbulenta e algo desfigurada produção de Juan Osorio foi concebida no claro propósito de repetir o sucesso de Meu Coração é Teu. Rejeitada, porém, de cara pelo público, sofreu intensas modificações, passando a adotar um tom mais dramático e até violento. Terminou como um grande fracasso – mas, mesmo assim, acabou dublada em Miami para exibição pelo canal nigeriano StarTimes.

A história narra o encontro de dois ex-namorados de juventude, a professora escolar Esperança (Betty Monroe) e o agente secreto Ricardo (Cristián de la Fuente), na idade madura. Em busca da identidade secreta de um perigoso ladrão de arte, Ricardo se infiltra disfarçado de professor no colégio onde Esperança dá aulas, e a paixão volta a nascer entre os dois. Mas a esposa dele, Tracy (Sabine Moussier), e o ex-marido dela, Ernesto (Julián Gil), farão de tudo para atrapalhar esse romance.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais