“Tinha certeza que não iria sair da prateleira de mulher bonita”, diz Juliana Paes sobre carreira

Publicado há 3 anos
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Considerada a atriz do ano por conta da atuação em A Força do Querer, onde foi a Bibi Perigosa, Juliana Paes falou sobre o papel na novela de Gloria Perez e sobre a sua carreira.

Ela foi a entrevistada desta quinta-feira (30) do Conversa Com Bial, apresentado por Pedro Bial na Globo. Em dado momento, a conversa também teve Elizângela, que fez a mãe de Bibi, Aurora.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja mais: Juliana Paes chora no Vídeo Show durante homenagem

Juliana começou dizendo que 2017 teve seu lado positivo, mas ela está exausta por tanto ter trabalhado: “Tanto pelo lado positivo, quanto pelo lado cansado. Eu tô exausta. Mas não é de stress, é físico, de ter trabalhado muito. Eu estou muito feliz por esse ano”.

A atriz comentou sobre Luiz Fernando Carvalho, diretor que a conduziu em Dois Irmãos e Meu Pedacinho de Chão na carreira. Pra Juliana, foi ele que a viu como uma atriz de verdade e não um símbolo sexual.

“Como eu não fui uma atriz que cheguei formada, eu fui aprendendo a fazer, isso me prejudicou bastante, e ainda tinha a questão de ser o tal símbolo sexual. E nisso, precisa ter alguém como o Luiz Fernando Carvalho que vê diferente. E o Luiz é o meu mestre, eu sou muito grata a ele”, afirmou.

Juliana diz ser grato para Luiz porque ela achava que não iria deixar o estigma de símbolo sexual, e que esse seu medo quase lhe tirou de Celebridade, novela de 2003 que será reprisada a partir deste mês nas tardes da Globo.

“Eu lembro de uma vez que me o Gilberto Braga para me fazer a Jackie Joy, e eu fiquei com medo, porque no primeiro capítulo eu ficava nua, e eu tinha certeza que não ia sair da prateleira de mulher bonita e só isso. Mas o Gilberto me convenceu, me falou da Marllyn Monroe, e disse: ‘Se é pra fazer a melhor gostosa da história, faça’. E eu fiz. A beleza abre portas, mas pra ficar nelas, o trabalho é dobrado. Eu sinto isso”, explicou.

Bial e Juliana começaram a falar sobre Bibi e Juliana comentou como foi o primeiro contato com a personagem: “Ela me disse que a personagem é uma bandida. E eu achei que ela era vilã. Eu pesquisei tudo sobre a Fabiana Escobar, e a Gloria Perez teve a licença pra fazer do jeito dela, teve o Caio. Eu achei que as pessoas iriam criticar, e até teve as criticas que diziam que colocamos glamour no crime, das quais não concordo”.

Juliana também afirmou como começou a sentir a repercussão do trabalho. Ela ficou tão assustada que ligou para a autora de A Força do Querer, Gloria Perez, para saber aquela relação era boa.

“Eu tive várias mães puxando a orelha. E quando isso acontece, as pessoas torcem e querem que ela mude. E eu liguei pra Gloria pra dizer que estavam me chamando de burra, de trouxa. E ela: ‘Está perfeito. É isso mesmo’”, contou.

Por fim, Juliana disse que as pessoas ainda não deixaram de chama-lá de Bibi Perigosa, e que Bibi é o personagem mais importante e que causou comoção em toda a sua carreira de quase 20 anos.

“As pessoas não deixam eu sair, ainda me chamam de Bibi (risos). Nessa comoção, nunca teve nada, realmente”, concluiu.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio