Tiago Santiago recupera os direitos de obras após vencer ação contra o SBT

Publicado há 2 anos
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Após ter feito sucesso na RecordTV com produções como A Escrava Isaura (2004), Prova de Amor (2005) e Caminhos do Coração (2007), Tiago Santiago despertou o interesse do SBT e foi contratado pelo canal.

Leia: Autor Tiago Santiago reclama de pouco espaço na TV e comemora sucesso de sua produtora

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O escritor conseguiu emplacar duas novelas na emissora, mas teve duas sinopses de folhetins e uma de série engavetadas, já que Silvio Santos restabeleceu parceria com a Televisa e passou a focar em enredos mexicanos.

Saiba mais: SBT e Danilo Gentili enfrentam guerra judicial contra a Band que envolve milhões

O vínculo empregatício do novelista acabou em 2013 e ele entrou com uma ação contra o veículo de comunicação. Segundo a colunista Patrícia Kogut, Tiago venceu o processo e voltou a ter o direito sobre as obras que não foram ao ar. A decisão foi em segunda instância e não cabe recurso.

Tiago Santiago fala sobre período que esteve na RecordTV e relembra saída: “Não estava satisfeito com a gestão”

Responsável por ter escrito grandes sucessos da RecordTV, como A Escrava Isaura (2004), Prova de Amor (2005) e Caminhos do Coração (2007), o autor Tiago Santiago falou sobre o período que a emissora conseguia momentos de liderança com suas produções de teledramaturgia.

“Acabou acontecendo com Prova de Amor. Me lembro que eu dava pulos de alegria quando a gente chegou a pontuar acima do Jornal Nacional. Foi surpreendente, mas depois de um tempo era o que a gente esperava em função do trabalho. Tanto eu quanto o Alexandre Avancini já éramos profissionais muito experientes, formados pela TV Globo”, afirmou o novelista ao UOL.

Com relação ao período que esteve no canal do bispo Edir Macedo, o profissional declarou ter um salto positivo, mas destacou o que o fez deixar o veículo de comunicação.

“Saí porque não estava satisfeito com a gestão. Não nos ajudava. Por exemplo, Os Mutantes estava disputando no horário nobre. Na minha cabeça precisava investir mais. O ápice disso veio quando a gente foi lutar contra Caminho das Índias com o orçamento reduzido a praticamente um quarto, enquanto víamos na emissora concorrente um mega elenco, com um mês de gravações em palácios na índia. Tiraram o Petrônio Gontijo e a Miriam Freeland da novela, que era um casal que fazia sucesso, foi uma ordem. Essas coisas me incomodavam”, relembrou Santiago.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio