Thiago Oliveira desabafa sobre racismo, no Hora 1: “Não é vitimismo, é realidade”

Âncora Roberto Kovalick dá a deixa para colega falar sobre o tema

Publicado há 5 meses
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O jornalista Thiago Oliveira surpreendeu os telespectadores ao opinar sobre o noticiário, na manhã desta quarta-feira (3), no Hora 1. O âncora de esportes foi chamado pelo apresentadora Roberto Kovalick.

O objetivo foi comentar sobre os protestos que ocorrem nos Estados Unidos por causa da morte do homem negro George Floyd por um policial branco, em Minneapolis, no estado de Minnesota.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“O chocante é aquilo que a gente viu, porque tínhamos ali um celular gravando o vídeo e o áudio. Chocante é você imaginar que isso sempre aconteceu e não tinha, na tal ocasião, um celular com o vídeo e o áudio”, explicou Thiago a Kovalick.

Na sequência, o jornalista reforçou que essa é a realidade de negros no exterior e no Brasil. “É isso que machuca, porque isso acontece diariamente lá nos EUA, no mundo todo e, sobretudo, aqui no Brasil. E tem uma coisa que é extremamente importante a gente dizer”, afirmou.

Importância de se posicionar

Em seguida, falou sobre a importância de protestar sobre essa realidade. “Os atos que estamos acompanhando são extremamente importantes porque a gente precisa fazer barulho, mas atos pacíficos, para a gente não perder força. E mais do que isso, não é uma briga entre negros com brancos, não existe isso. É uma briga contra o racista”.

Emocionado, Thiago ainda revelou ter esperanças de que a opressão deixará de existir. “O meu sonho, aos 35 anos, é que aquela frase ‘os racistas não passarão’ de fato eu vejo nos próximos anos. Se todos se unirem a gente vai conseguir, porque a voz vai predominar”, declarou.

Depois o apresentador de esportes, falou sobre a tachação de vitimismo para quem reclama de racismo. “Não é prepotência ou vitimismo, porque nos últimos anos a gente sempre escutou isso. A gente escuta isso [de vitimismo] várias vezes ao longo dos anos. Não é vitimismo, é realidade”.

Lugar de fala

Durante a fala toda, Kovalick apenas escutou, deixou o colega desabafar, sem interromper. Thiago, então, deixou uma reflexão para as pessoas que não percebem o racismo.

“Pense agora, você com a sua família, se gostaria de ser tratado e ter o mesmo tratamento que o negro tem nos últimos anos. Responda para você. Será que você iria responder sim ou, naturalmente, iria falar não”.

E concluiu: “O não é compressível, porque o racismo está camuflado e enraizado, mas, a partir do momento que você tem essa resposta dentro de si, você vai entender que não vitimismo e, sim, o racismo que predomina nos últimos anos”.

Assista

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais