Tempo de Amar: Inácio diz a Maria Vitória que não teria ido ao Brasil se soubesse que a perderia

Publicado há 3 anos
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sofrendo muito por conta do mau causado por Lucinda (Andréa Horta), Inácio (Bruno Cabrerizo) vai contar a Maria Vitória (Vitória Strada) toda a maldade que a vilã fez com ele, em Tempo de Amar, da Globo. A conversa vai acontecer quando a protagonista chegar a Portugal para buscar sua filha Mariana.

“Eu nunca deixei de pensar em ti, Maria Vitória… Sentia imenso a tua falta desde que cheguei ao Rio de Janeiro… Quando recebi a carta em que dizias esperar um filho meu, tive o dia mais feliz da minha vida…”, dirá emocionado.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja também: Inácio reage ao casamento de Maria Vitória e Vicente, em Tempo de Amar

“Tu ainda trabalhavas no Empório?”, questionará.

“Sim… Pouco depois, fui levar o tal pagamento do Senhor Geraldo a São Vital e fui roubado, agredido… Fiquei cego… E, mesmo sem enxergar, eu desenhava-te de memória…”.

“Se tivesses ido procurar Dona Nicota na Pensão, terias encontrado-me lá…”, argumentará a protagonista.

“Eu não podia imaginar que tu estivesses no Brasil… E Lucinda disse-me que Dona Nicota havia vendido a Pensão para outra pessoa…”, falará.

“Nunca…! Eu trabalhei lá, e ela sempre foi a dona…       .

“Izabel contou-me que te encontrou lá… Um dia eu fui até a Pensão, quando ainda estava cego…”.

“Certa vez, pensei ter ouvido a tua voz enquanto varria a calçada…”, lembrará.

“Será que não nos encontramos por um triz?”, se questionará Inácio.

“Era tudo o que eu mais desejava… Procurei-te incansavelmente… Tive a ajuda do Senhor Geraldo, que gostava muito de ti… Por que não procuraste por ele, Inácio?”.

“Lucinda disse-me que o Senhor Geraldo queria processar-me… Que achava que eu tinha roubado o dinheiro que os ladrões levaram…”, argumentará.

“O Senhor Geraldo queria-te como a um filho… Ele nunca pensou mal de ti… Foi o último a aceitar que estivesses morto…”.

“Eu devo tanto a ele… E devo tanto a ti, Maria Vitória… Por tudo que te prometi e não consegui cumprir…”.

“Tu não me deves nada, Inácio… Tudo isso já passou… Ninguém pode reescrever o passado… INÁCIO Pois eu daria tudo para voltar ao dia em que nos conhecemos e refazer a vida de outra maneira… Eu jamais teria ido ao Brasil se soubesse que iria perder-te…”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio