Taís Araújo e Lázaro Ramos protagonizam próximo episódio de Amor e Sorte

O autor Alexandre Machado assina o roteiro, dedicado a Fernanda Young

Publicado há 7 dias
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na próxima terça-feira (15), a Globo exibe o segundo episódio de Amor e Sorte. Em Linha de Raciocínio, um casal confinado diverge sobre uma questão ideológica e chega a uma grande “DR” turbinada pelos nervos à flor da pele. Escrito por Alexandre Machado para Lázaro Ramos e Taís Araújo, o capítulo provoca uma reflexão sobre o limite emocional vivenciado por um casal em quarentena.

Primeiro trabalho de Alexandre Machado após a morte de Fernanda Young, sua companheira de décadas e a quem faz uma homenagem neste trabalho, o episódio, que foi integralmente gravado de forma remota, mostra como a exaustão pela convivência excessiva pode afetar uma relação.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“O confinamento forçado leva as emoções ao extremo, e nos vemos vivendo conflitos antes inimagináveis, sobre os assuntos mais prosaicos. Na história, acompanhamos como um casal reage a um panelaço, transformando uma crise política numa crise matrimonial. Vemos a dor e o ridículo disso”, diz Alexandre.

O autor relembra o amor e a sorte que envolveram seu relacionamento com Fernanda Young. “Conhecer Fernanda foi a melhor coisa da minha vida. Em todos os sentidos. Amorosamente, profissionalmente, espiritualmente, existencialmente. Ninguém aproveitou mais a Fernanda do que eu. Foram 25 anos casados, muita sorte, realmente”. Linha de Raciocínio tem uma pequena dedicatória no final. “Escrevi o texto para ela”, conta o autor.

A gravação integralmente remota é um dos destaques deste e dos demais episódios da série a serem exibidos. Todos têm direção artística de Patricia Pedrosa. “Este e os próximos episódios foram exclusivamente gravados pelos nossos atores. Eles que operaram a câmera, montaram equipamento, se maquiaram, prepararam o set, tudo que uma equipe de dezenas de pessoas costuma fazer numa série”, comenta a diretora.

Ela lembra outros detalhes importantes que diferenciam a gravação remota de uma presencial. “A câmera usada é mais simples, para que eles consigam operar. Praticamente não há equipamentos de luz e o cenário é a própria casa deles. É, portanto, uma estética mais artesanal, documental, experimental”, destaca Patricia.

A nova forma de realização trouxe uma série de aprendizados para a equipe de produção. “A coisa mais importante no trabalho remoto é que todo mundo precisa estar organizado nas suas áreas com a pré-produção para apresentar e ouvir os outros. O saldo mais positivo é que todos os departamentos aprenderam mais sobre o trabalho do outro, isso tornou o processo de todo mundo mais interessante”, destaca a gerente de produção responsável pela série, Isabel Ribeiro.

Protagonistas desta história, Lázaro Ramos e Taís Araújo dão vida a Cadu e Tábata, e também falam sobre o trabalho colaborativo como diferencial do projeto. Além da atuação em si, o casal precisou realizar muito mais tarefas do que somente estudar e interpretar as personagens, como geralmente fazem.

Taís e Lázaro contam mais sobre a experiência da gravação à distância na entrevista abaixo.

Poderiam comentar sobre os bastidores da gravação?

Taís Araújo – Eu posso ter ficado cansada, mas eu sabia que ia dar certo o tempo todo. Chegaram caixas e mais caixas na nossa casa que precisaram ser higienizadas. Muita gente trabalhou para isso. A minha certeza de que ia dar certo é que o Lázaro sabe mexer nas coisas, porque eu não sei mexer em nada. Se não tivesse ele, não sei como seria. Nós conseguimos ter uma noção dos bastidores. Nossos filhos ficaram metade do processo com a gente e, como eram cenas noturnas, a gente colocava eles para dormir e, de vez em quando, ou um ou outro aparecia no meio.

Lazaro Ramos – Eu acho que todo mundo queria tanto que desse certo que a gente ficou numa concentração e em um empenho que talvez fosse até maior do que se tivesse todo mundo junto, presencialmente. Eu não achava que ia dar errado mas, às vezes, me perguntava se ia chegar ao final daquele dia. E o que alimentava era o prazer de fazer. A gente se organizou para ensaiar um pouquinho antes e, quando sentíamos que a atuação estava fragilizada, a gente pedia para fazer de novo.

Vocês se identificaram com os personagens de alguma forma?

Taís Araújo – Eu estava no auge da personagem. E fiquei muito encantada. Primeiro pela qualidade porque, em 30 páginas, a gente podia exercitar de tudo, do drama à comédia. E era um drama real, que eu também estava vivendo. A gente ria da gente. Quando conseguimos olhar com um certo distanciamento, conseguimos fazer graça.

Lázaro Ramos – A gente acha que tudo que acontece na série a gente era capaz de fazer na vida. Só na pandemia.

Como lidaram com a quarentena até agora?

Taís Araújo – No início da pandemia, eu estava muito perdida e fui entender como a minha casa funciona, como seria essa convivência com as crianças e com o Lázaro o tempo inteiro. E eu fui ficando nessa loucura, mas com muito medo. Pelos meus pais, por tudo. Mas hoje eu estou muito mais tranquila emocionalmente com a casa e com meus filhos. Entendo os meus períodos de ficar sozinha e os de Lázaro também.

Lázaro Ramos – A gente nunca tinha parado para notar como é a nossa dinâmica, nossa rotina, mesmo com 16 anos de casados. E a mesma coisa com os nossos filhos. Nunca conhecemos tanto os nossos filhos quanto agora, tanto as forças quanto as fragilidades. E aí são expostas, também, as nossas forças e fragilidades. Eu acho que a dica da quarentena é saber calar e escutar, porque pandemia não é hora de ter DR. Ninguém está em seu estado natural. Acho que quem passar a pandemia e continuar casado não separa nunca mais.

Como foi trabalhar juntos novamente, mas numa situação totalmente nova?

Taís Araújo – A gente já tinha feito par romântico algumas vezes. Esse trabalho veio para fortalecer a nossa relação. Foi uma oportunidade de redescoberta do que a gente podia fazer. Temos a sorte de conseguir trabalhar junto, e essa série, neste momento, veio para nos fortalecer. O resultado desse trabalho ajudou a ficar no eixo. Estávamos muito angustiados, muito à deriva nesta quarentena. Agora, parece que virou uma chave.

Lázaro Ramos – Temos uma relação em que o nosso trabalho só nos faz bem. Acho que a gravação de Amor e Sorte foi a nossa virada de humor. Costumamos ser muito envolvidos pelos projetos que fazemos. E esse é muito especial por causa do texto do Alexandre Machado. O texto é muito inteligente porque o Alexandre tem o jeito de ver comédia, de ver o mundo e de ver os casais. Digo, sem sombra de dúvidas, foi um dos trabalhos mais prazerosos que eu já tive ao longo desse tempo todo na Globo.

Amor e Sorte é uma série em quatro episódios, criada por Jorge Furtado. O episódio Linha de Raciocínio tem roteiro de Alexandre Machado, direção artística de Patrícia Pedrosa e direção de Lázaro Ramos.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais