Sophie Charlotte e Klebber Toledo falam sobre Ilha de Ferro

A série do Globoplay estreia na TV Globo em agosto

Publicado em 27/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Ilha de Ferro, Dante (Cauã Reymond) é engenheiro de petróleo e coordenador de produção da PLT-137. No primeiro episódio da série, ele ocupa o mais alto posto hierárquico, já que a equipe se encontra sem gerente de plataforma, vaga para a qual é o candidato natural. Seus colegas já o consideram o grande chefe daquele ambiente.

Após 14 dias embarcado, Dante volta para casa com seu irmão, Bruno (Klebber Toledo), piloto do helicóptero que leva e traz os petroleiros da plataforma. Desde que os dois se viram sozinhos no mundo, Dante tem ajudado o irmão. Bruno, contudo, só se sente inferiorizado ante a postura paternal do irmão mais velho.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando chega em casa, Dante é recebido pela mulher, Leona (Sophie Charlotte), estudante de Direito que tem uma personalidade completamente confusa. Não bastasse o caos que Leona é para si mesma, ela joga uma bomba no colo do marido ao revelar, numa crise de angústia, que está tendo um caso com Bruno.

Incrédulo, Dante vai atrás do irmão e invade o helicóptero de Bruno, que está pronto para levantar voo. Os dois iniciam uma discussão e a aeronave perde o controle, caindo no mar. Bruno entra em coma e os médicos não conseguem prever se ele voltará à consciência.

Com a vida de cabeça para baixo, o engenheiro sofre outra grande decepção: é surpreendido com a chegada a bordo de Júlia Bravo (Maria Casadevall), nova gerente de plataforma, ocupando o cargo por ele tão almejado.

Ilha de Ferro é criada e escrita por Max Mallmann e Adriana Lunardi, com supervisão de Mauro Wilson, e tem direção artística e geral de Afonso Poyart, e direção de Roberta Richard e Guga Sander. A obra, exibida originalmente no Globoplay, vai ao ar na TV Globo a partir do dia 09 de agosto, às segundas e quartas após Império; às terças depois de The Masked Singer Brasil; às quintas na sequência de Sob Pressão; e às sextas após Globo Repórter.

Abaixo, Sophie Charlotte e Klebber Toledo falam sobre a produção.

Sophie, como você define a Leona?

Sophie Charlotte – A Leona é uma personagem deslocada do contexto da plataforma de petróleo, e é quase um contraponto a esse mar, a esse isolamento. Ao mesmo tempo, ela compartilha de algumas sensações: ela se isola na própria casa por conta da paixão desmedida que tem pelo Dante. Toda a vida da Leona é muito construída em volta desse amor. Logo no começo da série, já tem uma quebra muito grande desse pilar.

Como você analisa a Leona em relação aos relacionamentos que ela vive?

SC – Ela é uma personagem muito autodestrutiva, porque a intensidade faz com que ela perca o foco e a razão. A Leona vive numa lógica própria, se guiando por conta do desejo pelo Dante. Enquanto ele está embarcado na plataforma e ela sozinha em casa, ela acaba metendo os pés pelas mãos cada vez mais. Ela é muito passional, coloca o coração antes da razão e da ética. A Leona se destrói para atingir o outro.

Fale sobre o triângulo Leona, Dante e Bruno.

SC – Ao mesmo tempo em que eu entendi a relação da Leona com o Dante como o foco dela de paixão, de amor e de dedicação, a figura do Bruno atravessa essa história. Por meio do Bruno, a Leona tenta atingir o Dante. Ela só tem olhos para o marido, mas, nessas duas semanas em que ele vai para a plataforma e ela fica cheia de inseguranças e questões, o Bruno, que está sempre perto, acaba ocupando esse lugar. Acho que a questão de atingir o Dante por meio do irmão nem é feita de forma racional, mas passa pela droga, pelo delírio, pelo desespero. São relações muito complexas.

Como você avalia o trabalho na série?

SC – Foi um grande desafio para mim porque é uma personagem muito forte, muito contraditória, com uma ética e uma lógica muito diferentes de tudo o que eu já tinha feito, mas eu me joguei de cabeça. Foi muito bom.

Klebber, como você define o Bruno?

Klebber Toledo – O Bruno é um personagem intenso, que adquire uma frieza, uma inconsequência pela vida dos outros, e isso é bem forte na série. Ele sempre quis uma família diferente da que ele teve, um irmão diferente, uma mulher que ele amasse e que o amasse também, mas nada disso existe na vida dele. Acho que o Bruno está em busca de um alívio, de um sopro de vida que ele nunca vai encontrar, porque o buraco está muito dentro dele.

Como você vê a relação do Bruno com o Dante?

KT – Acho que o Dante, como irmão mais velho, ao invés de ser um amigo ou um irmão de verdade, sempre tratou o Bruno como um filho, sempre corrigindo tudo o que ele fazia. Acredito que o Bruno foi alimentando a dor de inúmeras perdas ao longo da vida, e a principal foi “perder” esse irmão, que sempre quis ser o herói, o bem visto, enquanto o Bruno estava ali também tentando ser o melhor, mas nunca fazendo o suficiente.

Para você, que tipo de sentimento o Bruno tem pela Leona?

KT – O que o Bruno sente pela Leona é amor, sem dúvida. Os dois têm uma cumplicidade de amigos e se dão muito bem. Ele vai fazer de tudo para ficar com essa mulher do jeito que ele idealizou na cabeça dele.

Você acha que o Bruno é capaz de tudo para conseguir o que quer?

KT – Eu tenho certeza de que o Bruno é capaz de tudo. Ele jura que tem o controle do que está fazendo e sempre acha que está a um passo à frente dos outros. É um cara que tem um objetivo e, se esse objetivo não for conquistado, ele vai resolver o que for necessário para conseguir. E vai até o fim, mesmo que tudo dê errado.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio