Série da Globoplay, Assédio chega à TV em maio

Publicado há 2 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Primeira série original da Globo desenvolvida com exclusividade para o Globoplay, Assédio chega à TV aberta no dia 03 de maio. A produção traz a história de união de mulheres que formaram uma rede para denunciar uma sequência de abusos sexuais cometidos por um médico bem-sucedido e respeitado. Escrita por Maria Camargo e com direção artística de Amora Mautner, Assédio traz um tema atual e necessário: a luta e a força das mulheres.

Com uma linguagem universal, a obra foi lançada durante o Mipcom, feira do mercado de televisão que acontece em Cannes, na França; teve sua première internacional na última edição do Berlinale, festival de cinema em Berlim. E já foi adquirida para exibição no Chile. Com um elenco com nomes de peso, como Adriana Esteves, Antonio Calloni, Paolla Oliveira e Mariana Lima, a trama conta a trajetória de dezenas de mulheres que transformaram suas dores em causa e a justiça em objetivo de vida.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Cada
uma com sua característica, fortaleza e fragilidade. Juntas, elas são mais
fortes. Muito fortes. Vítimas de abuso sexual, elas tiveram seus sonhos
destruídos, suas palavras colocadas à prova, e foram atingidas brutalmente em
sua essência. Em pele de cordeiro, o lobo se apresentava como o salvador. Ícone
de reprodução humana, o médico Roger Sadala (Antonio Calloni) prometia o
paraíso como resposta aos anseios de maternidade de suas pacientes.
Fragilizadas por suas próprias frustrações e inseguranças, elas estabeleceram,
por medo ou vergonha, um pacto de silêncio que perpetuava o algoz num pedestal
enquanto seguiam devastadas por dentro. Até que uma voz rompe essa redoma e seu
som solitário ecoa em outras feridas.

Palavra da autora

“Vamos
falar sobre essas mulheres que em algum momento deixam de ser apenas vítimas de
assédio e violência sexual e passam a ser protagonistas das suas histórias.
Elas representam esse mundo que está mudando. Vamos falar de uma sociedade que
há muito tempo está calcada em um modelo machista de funcionamento, de coisas
que são consideradas naturais e normais, e não deveriam ser. Os assédios e,
sobretudo, os estupros e a violência sexual são o ponto mais radical desse
funcionamento. Estamos falando de mulheres que são atacadas por um médico
especialista em fertilização. São mulheres que estão com uma fragilidade
emocional, que desejam muito um filho e se sentem fracassadas por não ter.
Então recorrem a esse homem, como última esperança de realizar esse sonho”,
explica a autora Maria Camargo.                

Essas
angústias, dúvidas, conquistas e desabafos são contadas através das histórias
de Stela (Adriana Esteves), Eugenia (Paula Possani), Maria José (Hermila
Guedes), Vera (Fernanda D’umbra) e Daiane (Jéssica Ellen), da obstinação da
jornalista Mira (Elisa Volpatto), além, claro, das mulheres que cercam esse
homem, como sua mulher primeira mulher Glória (Mariana Lima) e sua segunda
esposa Carolina (Paola Oliveira). A série tem ainda participações especiais de
Mônica Iozzi, Bárbara Paz, Vera Fischer, entre outras.

Concepção do projeto

A
diretora artística Amora Mautner acredita que ter muitas mulheres envolvidas na
série ajudou na concepção de todo o projeto. “Estar com outras mulheres para
falar deste assunto nos deu esse privilégio. Temos a sensação comum de já
termos sido assediadas em algum momento da vida, em algum aspecto”, conta,
explicando ainda o conceito da escalação das atrizes. “Desde o início, como o
conceito era ser plural, representar várias mulheres e vítimas, fizemos uma
escalação que misturou grandes nomes da TV com pessoas ainda não tão conhecidas
do grande público, mas muito prestigiadas no teatro. Todos estão brilhantes”.

Assédio é uma minissérie escrita por Maria
Camargo, com Bianca Ramoneda, Fernando Rebello e Pedro de Barros. A obra élivremente
inspirada no livro A Clínica: A Farsa e
os Crimes de Roger Abdelmassih
, de Vicente Vilardaga. A direção
artística é de Amora Mautner, direção-geral de Joana Jabace e direção de Guto
Botelho

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio