Sérgio Chapelin dá adeus para o Globo Repórter nesta sexta-feira

Publicado há um ano
Por Muka Oliveira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta
sexta-feira (27), o telespectador se despede da voz e da presença inconfundível
de Sérgio Chapelin como apresentador
do Globo Repórter, que com sua
trajetória brilhante terá lugar garantido na memória do público e dos colegas
de trabalho que o acompanharam. O apresentador, que participou da estreia na
década de 1970 e esteve à frente do programa nos últimos 26 anos, encerra este
ciclo hoje (27), falando sobre a natureza selvagem da região do Serengeti, na
África. A partir do dia 4 de outubro, o Globo
Repórter
será apresentado por Glória Maria e Sandra Annenberg.

“Estive na maior parte dessa
história primorosa do ‘Globo Repórter’ e isso me deixa muito feliz.  Da
primeira fase do programa, mais documental, passando pela  fase em que
éramos  mais factuais, até o momento atual, quando falamos sobre todos os
assuntos. Saio com a sensação de dever cumprido”,
diz
Chapelin, que começou a carreira no rádio e também apresentou o ‘Jornal
Nacional’. “Minha trajetória na televisão
era tudo o que eu poderia desejar na vida. Sou muito grato ao público e aos
colegas por todo esse carinho e simpatia. Me sinto muito honrado”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Amizade
com Gloria Maria

Gloria
Maria dividiu com Chapelin a apresentação de alguns programas do jornalístico e
falou com carinho sobre o colega. “Sérgio
Chapelin faz parte da minha vida. Começamos praticamente juntos. Cheguei aqui
três anos depois dele e nunca nos separamos. Agora são duas apresentadoras,
cada uma com a sua trajetória e experiência. Nós não podemos substituí-lo
porque não tem como. Vamos fazer uma coisa diferente”,
diz Gloria Maria.

Amizade
com Sandra

Para
Sandra Annenberg, será uma honra substituir uma de suas maiores referências na
profissão: “Quando comecei no jornalismo
da Globo, em 1991, fui a primeira apresentadora do tempo do ‘Jornal Nacional’ e
era chamada toda noite pelo Sérgio e pelo Cid Moreira. Ele é uma inspiração e
me sinto honrada. Na verdade, o Sérgio é insubstituível. A voz dele ficará para
sempre ecoando nos nossos ouvidos”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais