Serginho Jucá, finalista de Mestre do Sabor, fala do programa: “É a realização de um sonho”

Globo exibe a final do programa ao vivo nesta quinta (23)

Publicado há 2 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Morador de São Miguel dos Milagres (AL), Serginho Jucá nasceu em Maceió. Tem 38 anos e possui dois restaurantes na cidade onde mora. Neto de Dona Yeda Rocha, referência na culinária alagoana, Serginho chegou a se aventurar na faculdade de Direito, mas largou no quarto ano para morar na Espanha. Lá, descobriu a alta gastronomia.

Em 2015, foi eleito chef Revelação pelo guia Quatro Rodas. Hoje, desenvolve um projeto social onde ensina pessoas carentes a produzirem petiscos com alimentos baratos, que podem ser vendidos na porta de casa.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na entrevista abaixo, o finalista do Mestre do Sabor fala sobre a estratégia que usou durante o programa; os desafios da competição; os aprendizados; e sobre as expectativas para a final, que acontece nesta quinta-feira, (23), após Fina Estampa, ao vivo, direto dos Estúdios Globo.

Qual é o sentimento de estar na final do Mestre do Sabor?

É a realização de um sonho. Todo carinho que plantei nesses 15 anos, aniversários, natais, festas de ano novo, todos os dias que deixei de estar com a família para estar cozinhando e entregando meu melhor foram compensados. É um resumo gigante disso. É um sentimento de “que legal que você acreditou, mesmo passando por tantas dificuldades”.

Você considera que adotou alguma estratégia no jogo que o ajudou a chegar na final?

Eu acho que a melhor estratégia foi sempre criar um grupo forte para ganhar as provas de equipe e conseguimos fazer isso. Ninguém sabe, mas a gente fazia reuniões de madrugada. Gravava de 10 às 10h, mas depois disso, chegando no hotel, passávamos parte da madrugada alinhando as coisas. Dependendo da prova que acontecia, a gente já tinha no gatilho várias ideias e conseguia um pouco mais de noção de conjunto.

Eu acho que essa foi nossa principal força. Tínhamos conjunto. O Leo também teve papel fundamental. Ele fez a função de chef, juntando ideias. Eu acredito que essas reuniões que fazíamos, o fato de termos nos tornado amigos em tão pouco tempo, foi o ponto positivo que me levou mais pra frente. Aí depois já foi o carinho e os anos de luta.

O que considerou mais desafiador na competição?

Eu acho que acreditar em mim mesmo a cada prova. Ser mais versátil. Um programa de cozinha como esse não é o melhor cozinheiro que ganha, mas sim o mais versátil. Não saber o que esperar das provas e ter um tempo limitado para fazer foi o mais desafiador.

Olhando para trás, para os dias de gravação, considera que houve algum aprendizado? Qual?

Vários. Você está ao lado de chefs incríveis, mais os mestres, o Claude e o Batista… Sentimento de cozinha aflora. Estava com muita saudade desse sentimento, de viver isso. Eu adoro falar sobre cozinha, passar esses dias com todo mundo falando só de técnicas, de receitas, foi muito show.

O programa reuniu chefs experientes, muitos têm suas próprias cozinhas e trabalham com isso há anos. Na sua opinião, o que diferencia um chef do outro?

Eu acho que o que diferencia cada chef são suas referências. Onde ele trabalhou, onde estagiou, se tinha referência familiar de comida, se cresceu nesse meio ou não. Isso acaba levando você a uma personalidade. Cada um viveu em um lugar, tem lembranças infantis diferentes, e isso tudo é refletido no prato.

O que é cozinhar para você?

Vício. Hoje em dia talvez eu seja viciado em cozinhar, em servir. Cozinhar é esse amor. Eu fico muito feliz quando você pega alguém que está irritado ou triste, aí você fez aquele prato com todo amor do mundo e quando ele come, dá um sorriso… Isso é bom demais.

Você sentiu mudanças no seu ambiente profissional desde que o programa começou? Quais foram?

A pandemia atrapalhou um pouco isso porque eu não estou trabalhando. Mas existe esse sentimento de orgulho alagoano que enalteceu bastante neste período. A partir do momento que a gente coloca milhões de pessoas vendo e escutando falar da cozinha alagoana, todos ganham. É uma coisa super positiva.

E a repercussão com o público, como tem sido para você?

Tem sido incrível receber esse carinho. Está sendo impressionante. Eu sempre fui uma pessoa gente boa e sinto que o universo está me devolvendo tudo isso. Esse sentimento é muito bom, eu sempre me orgulhei muito de ser alagoano e poder trazer pessoas para esse universo tem sido fantástico.

O que tem feito durante a quarentena?

O restaurante está fechado, eu estou em Maceió para estar perto da minha filha. Criei um programa de receita no Instagram e de segunda a sexta, às 20h, crio uma receita super fácil, diferente, gostosa, com personalidade. Foi um jeito que achei de me manter cozinhando.

Passei o primeiro mês da quarentena sem fazer nada, estava me sentindo mal já, não aguentava mais. Pedindo delivery e comendo na casa de família, estava com saudade de comer minha comida. Agora, essa sexta, completam dois meses e 50 receitas. Deu para brincar um pouco.

E estou muito com minha família. Nunca passei quatro meses livre para ver minha filha diariamente, meus pais toda semana, minha avó… Então, acho que essa pandemia tem uma parte negativa gigantesca, mas enxerguei nela um positivo muito grande também.

Quais suas expectativas para a final?

Manter a calma, seguir mostrando meu trabalho. Se Deus quiser, algum ingrediente regional vai estar na prova, para que eu tenha mais referências. E fazer um bom trabalho. Ganhar não é o propósito, mas fazer um trabalho bonito. Então, só tem craque, todo mundo merece ganhar, mas ganhar é um detalhe. Um lindo detalhe (risos). Mas não é o propósito.

Caso vença a competição, já tem planos sobre como usar o prêmio?

Não. Logico que, profissionalmente falando, quero melhorar o restaurante, trazer mais equipamentos. Mas não gosto de planejar uma coisa que não aconteceu ainda. Já sofri muito na vida e hoje sou uma pessoa mais realista. Vou deixar para pensar no prêmio depois que eu ganhar. Agora, só tenho que pensar em pratos maravilhosos.

Mestre do Sabor é um formato original Globo, com direção artística de LP Simonetti e direção geral de Aida Silva. A etapa final da segunda temporada do reality gastronômico será nesta quinta-feira, (23), após Fina Estampa. O programa também será exibido no GNT, na sexta-feira, às 22h.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais