Ser ou não ser? Convidados do Altas Horas abrem o jogo sobre profissão

Publicado há 4 anos
Por Endrigo Annyston
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na arena do ‘Altas Horas’, a plateia se divide entre aqueles que já escolheram a profissão a seguir e estão na faculdade e aqueles que ainda precisam escolher a carreira que querem traçar nos próximos anos. Todos eles podem ver no programa que os convidados deste sábado, dia 18, têm algo em comum: todos foram precoces em suas escolhas profissionais.

Deborah Secco é vista na televisão desde que era muito nova. Desde os oito anos, especificamente. O que espanta é a determinação que ela tinha, àquela altura, para conseguir um espaço na TV. “Eu ligava diariamente para a produção do programa da Angélica, na Manchete, e falava que eu era atriz, que era ótima. Depois de muito tempo ligando, me passaram o contato da produtora de elenco e ela convenceu minha mãe a me levar”, conta a Tânia de ‘Malhação’. Carol Castro, que está toda “cheia de luz” por conta da gravidez, cresceu em meio ao teatro, queria ser atriz, mas era bem mais tímida do que a colega. Fazia peças, mas não queria ter falas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Falar não era um problema para Giuliana Morrone, que aos 16 anos já estava cursando a faculdade de jornalismo em Brasília. Ainda em um cargo de “subestagiária”, como ela mesma diz, fez sua primeira aparição em uma televisão local. “Minha mãe passou o dia inteiro ligando na emissora para falar que tinha gostado daquela moça que tinha feito a reportagem sobre vôlei”, revela a jornalista.

Os artistas que trazem música ao palco do ‘Altas Horas’ tiveram uma influência familiar em sua decisão. A mãe de Nando Reis era professora de violão e ele, por gostar de escrever, começou a compor ainda muito novo. Já Preta Gil, filha de Gilberto Gil, sobrinha de Caetano Veloso e afilhada de Gal Costa, não tinha muito para onde correr. Mas correu. Resolveu trabalhar atrás das câmeras e chegou a ter uma produtora, até que ouviu um chamado interno. “Passei muitos anos fugindo de mim mesma, foi na terapia que descobri que tinha que ser cantora”, explica.

Trazendo a plateia às gargalhadas, Mustafary (Marco Luque) chega com toda sua malemolência baiana e hábitos mais do que urbanos. Ao final da atração, é a vez de uma nova cara surgir na arena: Sky Wauker (Marco Luque), um clown que consegue dizer muito em poucas palavras. Ou quase nenhuma.

O ‘Altas Horas’ vai ao ar aos sábados, após o ‘Zorra’.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais