Segundo Sol: Valentim diz que está sem chão ao saber que Beto está vivo

Publicado há 3 anos
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Segundo Sol, na Globo, Valentim (Danilo Mesquita) ficará muito decepcionado ao saber que Beto Falcão (Emílio Dantas) está vivo e se passava por Miguel. Com isso, ele deixará claro que a vida que levava não faz sentido, já que todos mentiram para ele. Confira.

“Você… Beto Falcão… Qualé, Miguel… que brincadeira sem graça…”, dirá depois de saber a verdade. “Não tô brincando, Valentim, eu sou o seu pai, de verdade, nunca peguei aquele aviãozinho que caiu, eu não morri”. “Como assim, isso não faz o menor sentido”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja também: Luzia fica impressionada com semelhança entre Beto Falcão e Miguel, em Segundo Sol

“Eu não cheguei a tempo, não entrei no avião… naquele dia eu tava indo me apresentar numa festa, em Aracaju, eu tava topando qualquer coisa, ninguém me chamava pra mais nada, a gente precisava de grana, seu avô ia ter que vender a casa e o bar pra pagar uma dívida… eu tava indo embarcar e meu carro quebrou, eu me atrasei… mas eu tava na lista dos passageiros, e todo mundo achou que eu tinha morrido… a notícia comoveu o Brasil, e da noite pro dia eu virei um ídolo… um falso ídolo… seus avós, seus tios, sua mãe, todos choraram a minha morte, até saberem a verdade…”, explicará.

“Como assim? Eles sabiam disso?”, indagará Valentim. “Eles eram contra, Valentim, mas a coisa já tava feita, não tinha como voltar atrás naquele momento… de repente, eu virei um fenômeno de vendas, coisa que nunca fui… era a solução pros nossos problemas. Nosso plano era desmentir logo, dar um jeito, inventar que eu sobrevivi e fiquei perdido… mas aconteceram mil coisas o tempo passou, a gente perdeu as rédeas da situação”.

“E essa história desse primo, do Miguel…”. “Não existe esse primo, Valentim, ele foi uma invenção pra que eu continuasse na família sem ninguém desconfiar que Beto não tinha morrido. Desde que isso tudo aconteceu, eu vivo com essa identidade falsa… e acredita em mim, meu filho, eu não sou nem um pouco feliz com isso”. “Eu não acredito… eu tô sem chão…”, concluirá o menino.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio