Segundo Sol: Cacau fica embasbacada ao descobrir que Roberval está rico

Publicado há 3 anos
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Segundo Sol, na Globo, Roberval (Fabrício Boliveira) voltou a Salvador como um homem diferente. O rapaz passou quase 20 anos fora do país e seu retorno ocasionou em um encontro com seu grande amor, Cacau (Fabíula Nascimento). A irmã de Luzia (Giovanna Antonelli) vai ficar encantadíssima com o retorno. Confira.

“Você tá…”, dirá examinando sua antiga paixão. “Um pouco diferente daquele Roberval que você conheceu… mas no fundo, o mesmo. E você continua linda, Cacau…”, galanteará. “Nem sei o que dizer, não esperava lhe encontrar”, rebaterá ela. “Então senta, Cacau, toma uma bebida comigo”, convidará.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja também: Valentim rejeita Beto Falcão como pai sem saber a verdade, em Segundo Sol

“Meu Senhor do Bonfim… Então é você o empresário misterioso?! E seus convidados, cadê eles?”. “Só tem uma convidada para esse jantar: você. O evento é so pra nós dois. Vem, senta”, revelará. “Mas eu tinha entendido que esses lugares todos… e a comida? Tem tanta comida!!”.

“Dá pra seus funcionários, depois você vê isso, mas só depois que a gente conversar… Serve o espumante?”, dirá emendando a pergunta para Agenor. “Espera, que brincadeira é essa, Roberval?!”, indagará Cacau. “Não é brincadeira, eu quis lhe fazer uma surpresa! Faz quase vinte anos que não lhe vejo, tinha que ser assim, um reencontro marcante, inesquecível!”.

“Me fale de você!”, dirá o empresário. “Eu… tenho um restaurante, meu xodó, a especialidade é comida baiana. É pequeno, mas tem feito sucesso”. “Então nós dois nos demos bem na vida”, concluirá Roberval. “Pelo visto você muito mais que eu! Me conta o que é que você faz pra ter enricado tanto!”, pedirá Cacau.

“Digamos que eu tenha investido nas coisas certas durante todo esse tempo que estive na África”, responderá evasivamente. “Ah, eu sei que você mora lá, em Luanda, não é isso? Meu sobrinho, Ícaro, soube por sua mãe, que contou…”.

“Desde que saí daquela casa que não tenho mais mãe, mais ninguém. Do meu passado só restou você nas minhas recordações e é só de você que quero saber. Me conta tudo, você se casou?”, perguntará. “Não. E você?”. “Também não. Tive umas namoradas, mas nada sério. Completamente sozinho nesse momento”.

“Eu também. Mal tive tempo pra essas coisas, minha vida foi só trabalhar e cuidar do meu sobrinho. Os dois foram bem difíceis, mas pelo menos com o restaurante eu acertei”. “Estou doido para comer sua comida, posso mandar servir?”.

“Agenor! Avise na cozinha que pode começar o serviço, e que agora é só para dois. É um menu degustação com uma releitura de comidas baianas”. “Está tudo uma delícia, Cacau, parabéns. Sinto orgulho de ti”.

“Você me tratando tão bem, me dizendo essas palavras gentis, tantos elogios…  Por que tudo isso, Roberval? Eu não fui legal com você, ainda lembro claramente você falando que nunca mais ia olhar na minha cara e agora…”.

“Agora o tempo passou, as feridas cicatrizaram e eu estou aqui, de peito aberto, disposto a voltar atrás no que disse. O bom da vida é que a gente pode mudar de ideia a qualquer momento. Eu escolhi esse. A esse nosso momento. A nós dois, que chegamos até aqui”, concluirá.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais