Samantha Schmütz faz desabafo sobre a situação dos artistas do teatro municipal do Rio de Janeiro

Publicado em 25/06/2017

Durante a semifinal do Show dos Famosos exibida neste domingo (25) no Domingão do Faustão, Samantha Schmütz interpretou Michael Jackson, ainda criança em seu tempo como integrante do grupo Jacksons Five.

Leia também: Samantha Schmütz curte noitada em Trancoso e troca beijos com o marido

Ao falar sobre o aniversário de morte do cantor, a atriz pediu licença a Fausto Silva para fazer um desabafo sobre a atual situação vivida pelos artistas do teatro municipal do Rio de Janeiro, que estão com seus salários atrasados há alguns meses, e precisaram fazer protestos para tentar receber, sendo inclusive agredidos pela polícia:

“Queria agradecer a oportunidade de homenagear o Michael, desde criança se dedicou e abdicou muito para se tornar este artista imbatível e único. Com muito respeito que faço o Michael, ele inspirou muito gente inclusive eu. Nós artistas estamos aqui para isso, para levar arte, cultura, entretenimento, inspiração e esperança. Nesse momento que a gente está precisando tanto que o Brasil está passando por coisas horríveis, nós artistas temos que ser esse respiro. Queria falar sobre os artistas do Rio de Janeiro, do teatro municipal que estão vivendo uma situação horrível porque as pessoas estão roubando não só o dinheiro mas os sonhos deles. Quando você vê um bailarino se transformando em motoboy, não que motoboy seja indigno, mas o sonho dele não era ser motoboy e sim ser um bailarino que ele era, aí vem o governo rouba o dinheiro e joga todo o sonho dele fora. Nós não podemos deixar, e nós que temos o microfone na mão, temos responsabilidade vamos usar isso em prol do nosso povo, e não pensar só na gente. Nós que podemos usar rede social e ser ouvidos, não podemos deixar de falar.”

Faustão e Samantha Schmütz do Domingão do Faustão (Reprodução)
Faustão e Samantha Schmütz do Domingão do Faustão (Reprodução)

Fausto Silva agradeceu a atriz e emendou o discurso dela ao falar sobre a corrupção no país: “Infeliz do povo que acredita em partidos vazios e desonestos. Tem que escolher direito pra ver o que sobra de gente decente. Qualquer país decente, é o partido que é forte e as pessoas estão a serviço do partido, aqui a gente tem que votar no salvador da pátria. Um país que tem 210 milhões de habitantes precisar de salvador da pátria, é o fim do fim. Não acreditem em promessas. Se um dia cada um fizer seu trabalho, o Brasil será dedetizado pra valer.” disse ele arrancando aplausos da platéia.