Saiba como aconteceram as gravações do incêndio em Topíssima

Publicado há um ano
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O clima vai esquentar, literalmente, na trama da novela Topíssima. As cenas do incêndio no restaurante de Mariinha (Silvia Pfeifer) estão previstas para ir ao ar a partir de terça-feira, dia 24. As gravações deste evento ocorreram no último mês de julho no complexo de estúdios da produtora Casablanca, em Vargem Grande, zona oeste do Rio de Janeiro.

Na trama, o incêndio foi encomendado por Paulo Roberto (Floriano Peixoto) na tentativa de se vingar de Antonio (Felipe Cunha). O reitor contrata capangas para incendiar o restaurante Cantinho da Laje. Hélio (Antonio Gonzales) e mais dois homens entram no estabelecimento e provocam um incêndio criminoso.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As chamas tomam conta da cozinha e se espalham pelo local. Para a gravação das cenas, um complexo esquema de efeitos técnicos foi montado para sair tudo da maneira desejada pela produção e direção. Dublês, bombeiros e profissionais de efeitos tiveram que trabalhar duro para garantir a segurança de todos. As filmagens do incêndio no restaurante de Mariinha acontecerem durante três dias.

Efeitos especiais

De acordo com o produtor de efeitos especiais, Wilson Aquino, a gravação do incêndio foi desmembrada em três etapas. No primeiro dia a gravação aconteceu no salão e cozinha do restaurante, montados, exclusivamente para o capítulo em uma área externa.

No segundo dia foram filmadas as cenas na fachada do restaurante, localizada na cidade cenográfica. No terceiro e último dia foram rodadas as cenas no terraço do estabelecimento de Mariinha. Aquino ainda deu mais detalhes técnicos sobre as filmagens do incêndio.

“Os pontos do cenário com maior concentração de fogo receberam proteção relaxante de chamas. Para os planos gerais utilizamos gás e combustíveis líquidos. Em alguns pontos próximo ao elenco usamos gás, fluido de isqueiro e álcool isopropílico. As explosões foram feitas com acumulações de ar e gás, além de detritos. E a fumaça foi feita com produtos neutros e certificados”, explicou o produtor de efeitos especiais.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais