Roteirista Michel Coeli fala sobre desafios na gravação do novo Que Mundo É Esse?

Para ele, as pessoas não sabem que o Japão tem um lado muito tradicional

Publicado há 4 meses
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O roteirista Michel Coeli se prepara para ver mais um novo trabalho seu chegar ao público. Se trata de Que Mundo É Esse?, programa de documentários da GloboNews. A atração, dessa vez, está disponível, primeiro, na plataforma de streaming Globoplay.

Com cinco episódios, o tema dessa série é o Japão. Coeli conta que foram ao país para falar de cultura, de Jogos Olímpicos, mas acabaram sendo surpreendidos pela pandemia do novo coronavírus. Com isso, o roteiro precisou ser modificado.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“A gente não tinha esse foco de falar do coronavírus, mas falar da cultura japonesa, do novo imperador, das Olimpíadas sob a ótica do programa que é fazer um retrato atual do país. Uma pauta que surgiu durante as gravações foi sobre o bloqueio de navios chineses para atracarem no Japão por conta do risco da doença”, revela.

André Fran, Rodrigo Cebrian e Michel Coeli, do Que Mundo é Esse? (Reprodução)

Apesar dar surpresa, não houve dificuldades em modificar os planos. “Esse fato chamou nossa atenção de que aquele vírus poderia impactar gravemente na economia de um país. Essa adaptação de roteiro é algo comum para nós”, falou Coeli.

Como gravamos um material documental, algo muito orgânico, muita coisa acontece durante a viagem e a gente tem que estar muito aberto para abordar situações ou casos não previstos”, completou.
 
Perguntado sobre o que os telespectadores pode esperar da nova temporada do programa, Coeli explicou: “O público poderá esperar o que a gente normalmente faz no ‘Que Mundo é Esse?’: desmitificar algumas situações especificas dos países e mostrar coisas que as pessoas não faziam ideia”.

E concluiu: “A maioria acredita que o Japão é muito para frente, muito moderno, muito tecnológico, mas, às vezes, esquecem ou não sabem que o Japão tem um lado muito tradicional em vários aspectos. Então, a gente toca nesses assuntos e mostra um outro lado que as pessoas desconhecem”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais