Rodrigo Simas fala sobre seu personagem em Órfãos da Terra

Publicado há 2 anos
Por Redação
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na noite desta quinta-feira (14) a Globo promoveu a coletiva de imprensa de estreia da novela Órfãos da Terra. A próxima novela das 6 que vai entrar no lugar de Espelho da Vida. O Observatório da Televisão esteve nesse evento e conversou com o ator Rodrigo Simas. Ele interpreta o fotógrafo Bruno e deu mais detalhes do seu personagem na trama:

“Cara, ele é um filhinho de papai, que na verdade está querendo se desvencilhar disso. Ele foi criado em berço de ouro, berço do rico. E ele discorda muito das atitudes do pai. Ele não gosta da maneira como o pai trata a mãe e como ele está crescendo. Já não é mais nenhuma criança ele está começando a ter sua própria opinião, começando a zerar essas questões de sociedade que lhe implica”, conta ele.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Danton Mello fala do seu personagem em Órfãos da Terra

Questionado se teve que se preparar para interpretar um fotógrafo, Rodrigo responde: “Eu tenho fotografia como hobby, na minha vida, então isso facilitou bastante… Fiz algumas aulas com fotógrafos da Globo, mas nada demais”.

Sobre a relação do seu personagem com Laila Faiek (Julia Dalavia): “Então, na verdade ele conhece ela por acaso num acidente que tem. E eles vão começar a virar amigos, só que ele se apaixona por ela. E aí só que ele se apaixona, mas ele não vai contra o amor que ela está vivendo. Ele respeita isso e eu acho que o que a gente vai viver vai ser mais pra frente”.

Rodrigo Simas opina sobre tema dos refugiados

O ator opina sobre o tema dos refugiados: “Eu acho que é maravilhoso a gente estar falando sobre isso. Eu fico muito feliz que o Brasil é um país que agrega e recebe bastante refugiados, apesar de ainda ser uma dificuldade abordar esse tema. Pense que uma novela das 6, que abrange todos os públicos pode ajudar bastante nessa situação. E ao mesmo tempo é muito triste ver as pessoas tendo que sair do próprio país, tendo que fugir por falta de humanidade, por falta de sobrevivência”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio