Rodrigo Simas fala sobre seu personagem em Órfãos da Terra

Publicado há 2 anos
Por Redação
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na noite desta quinta-feira (14) a Globo promoveu a coletiva de imprensa de estreia da novela Órfãos da Terra. A próxima novela das 6 que vai entrar no lugar de Espelho da Vida. O Observatório da Televisão esteve nesse evento e conversou com o ator Rodrigo Simas. Ele interpreta o fotógrafo Bruno e deu mais detalhes do seu personagem na trama:

“Cara, ele é um filhinho de papai, que na verdade está querendo se desvencilhar disso. Ele foi criado em berço de ouro, berço do rico. E ele discorda muito das atitudes do pai. Ele não gosta da maneira como o pai trata a mãe e como ele está crescendo. Já não é mais nenhuma criança ele está começando a ter sua própria opinião, começando a zerar essas questões de sociedade que lhe implica”, conta ele.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Danton Mello fala do seu personagem em Órfãos da Terra

Questionado se teve que se preparar para interpretar um fotógrafo, Rodrigo responde: “Eu tenho fotografia como hobby, na minha vida, então isso facilitou bastante… Fiz algumas aulas com fotógrafos da Globo, mas nada demais”.

Sobre a relação do seu personagem com Laila Faiek (Julia Dalavia): “Então, na verdade ele conhece ela por acaso num acidente que tem. E eles vão começar a virar amigos, só que ele se apaixona por ela. E aí só que ele se apaixona, mas ele não vai contra o amor que ela está vivendo. Ele respeita isso e eu acho que o que a gente vai viver vai ser mais pra frente”.

Rodrigo Simas opina sobre tema dos refugiados

O ator opina sobre o tema dos refugiados: “Eu acho que é maravilhoso a gente estar falando sobre isso. Eu fico muito feliz que o Brasil é um país que agrega e recebe bastante refugiados, apesar de ainda ser uma dificuldade abordar esse tema. Pense que uma novela das 6, que abrange todos os públicos pode ajudar bastante nessa situação. E ao mesmo tempo é muito triste ver as pessoas tendo que sair do próprio país, tendo que fugir por falta de humanidade, por falta de sobrevivência”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais