Reynaldo Gianecchini relembra o Anthony de Verdades Secretas: “Gigolô sem moral”

O famoso diz ter revisto a produção recentemente

Publicado em 13/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Longe das novelas desde A Dona do Pedaço (2019), Reynaldo Gianecchini vai voltar ao ar por meio da reprise de Verdades Secretas, novela das 23h de Walcyr Carrasco que passa a ser reexibida a partir do próximo dia 24, logo após Império.

No enredo dirigido por Mauro Mendonça Filho, o astro viveu Anthony, ex-modelo que se envolve com Fanny (Marieta Severo), dona de uma agência de modelos que pratica o book rosa, colocando as contratadas para fazer programa com os clientes.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista, Reynaldo falou sobre como foi fazer parte da produção, que venceu o Emmy Internacional de Melhor Telenovela. O artista também revelou ter reassistido a produção recentemente para saber se continuava mantendo a opinião positiva que tinha do enredo.

O que sentiu quando soube que Verdades Secretas voltaria a ser exibida na TV Globo?
Eu achei ótima a ideia de reexibir Verdades Secretas, porque é uma trama que fez muito sucesso. O público está ansioso pela continuação, eu sinto isso. Vai ser ótimo relembrar toda a história para as pessoas estarem com ela bem viva na memória quando a continuação estrear.

Como você descreveria seu personagem e como foi o processo de construção dele?
O Anthony é um gigolô, esse é o traço mais forte dele. Ele não tem empatia nenhuma, não tem moral, não tem muita questão com nada. Ele quer se dar bem e usa a sedução para isso. Meu processo de preparação consistiu em assistir filmes com personagens que usavam seu charme e sedução. A ideia era pegar o que poderia ser legal nesse universo masculino de sedução. Também tive muitas conversas com o diretor Mauro Mendonça Filho, mas, basicamente, me inspirei em vários filmes de personagens com esse perfil.

Como o Anthony Mariano marcou a sua carreira?
Considero o Anthony um excelente personagem na minha carreira. Eu aprendi muito fazendo Verdades Secretas, o processo criativo da trama foi muito interessante. Deu para fazer com um pouco mais de calma, porque a novela tinha um outro formato. As cenas eram mais discutidas, por exemplo. O Anthony é um personagem muito interessante porque tem várias nuances. Ele me colocou em contato com várias possibilidades, trabalhei com veteranos e atores novos maravilhosos. A troca foi muito boa e o resultado do processo foi muito positivo para mim.

Qual a principal lembrança que você tem do período de gravação?
A principal lembrança que eu tenho é de realmente ter muito prazer em estar no set, porque eu sentia que todo mundo estava feliz e com personagens bons na trama. É um elenco muito bem escalado, todos perfeitamente encaixados nos personagens. A convivência era muito gostosa. E era muito bom também ter essa possibilidade de estar com os jovens e ao mesmo tempo com veteranos, como a Marieta Severo e a Eva Wilma. Todos convivendo e aprendendo com essa troca. Eu lembro muito da descontração, para mim foi um dos sets mais leves que já trabalhei.

Como foi contracenar novamente com Marieta Severo depois de Laços de Família?
Foi muito maravilhoso voltar a trabalhar com a Marieta, que eu tanto tenho carinho e amor e por tudo que vivemos lá atrás em Laços de Família. Foi muito interessante poder contracenar com ela depois de eu ter mais experiência, de poder jogar um jogo mais redondo, num outro lugar como ator e como parceiros. Foi muito prazeroso mesmo. A Marieta é uma loucura, uma atriz maravilhosa, uma pessoa deliciosa de conviver. Então, ter a chance de novo de participar com ela de um trabalho, mas num lugar mais relaxado como ator, foi muito bom.

Você também contracenou muito com a saudosa Eva Wilma, em um dos últimos trabalhos dela. Como foi a experiência? O que recorda com mais carinho dessa parceria?
Foi a segunda vez que eu trabalhei com a Dona Eva, e eu lembro com muito carinho dessa parceria. As cenas do Anthony com a mãe eram todas num lugar que tocava o personagem e a mim também. Essa mãe era a única pessoa que fazia com que fosse possível ver o lado humano dele. Então, eu como ator ia para a cena com a melhor pessoa que podia fazer isso, porque a Dona Eva era uma grande atriz, ela tinha uma verdade…Estar em cena com ela já me colocava num lugar perfeito, era só reagir. Porque ela já me dava tudo, eram muito intensas as nossas cenas. Eu lembro que tinha muito prazer em fazer.

Qual foi o principal desafio desse trabalho?
O principal desafio foi mostrar esse olhar do Anthony que atravessa as pessoas, que não olha direito para elas, que não se interessa, não tem empatia. Então, eu tinha que deixar meu lado mais doce, preocupado e afetuoso que geralmente imprime fácil em mim e buscar uma violência, as questões todas que ele tinha e o tornaram bastante duro. Ao mesmo tempo, ele era muito humano com a mãe. Eu tinha que ficar muito atento a essas nuances. Isso que era mais interessante no meu personagem.

A trama aborda um mundo de aparências, fala sobre poder, dinheiro, entre outros temas. Qual a importância de trazer à tona tantas questões em uma história?
Eu acho muito importante iluminar esses caminhos difíceis que o jovem pode enfrentar. Para mim a trama fala sobre até que ponto você pode ir para conseguir os seus interesses alcançados e que tudo tem um preço, até que ponto você está disposto a pagar. O jovem geralmente tem essa ambição, essa vontade de conseguir logo as coisas e é muito importante saber que tudo tem um preço. Eu acho que essa trama coloca uma lupa sobre essa questão, podendo ser uma boa história para a reflexão.

O público o abordava muito nas ruas quando a trama foi exibida originalmente?
Verdades Secretas repercutiu demais. Foi realmente um grande sucesso, que podíamos constatar nas ruas. Quando a gente faz um trabalho que vira popular, que as pessoas gostam, a gente tem esse reflexo sempre que as pessoas nos abordam para falar. Eu adorava comentar com as pessoas e muita gente vinha falar comigo na época, o que é sinal de uma comunicação maravilhosa. Isso que eu acho mais legal de fazer televisão.

A que você atribui o êxito da história?
Eu atribuo o sucesso ao fato de ela ser muito bem contada. Além disso, ela está num contexto muito sedutor que é o universo da moda e da beleza. A trama tem ganchos maravilhosos, situações realmente fortes, com um elenco que deu conta do recado, muito talentoso, uma direção primorosa, com uma linguagem visual nova e interessante, talvez das melhores dos últimos tempos. E junto com tudo isso, o texto bem cheio de situações que pulsavam muito forte.

Você pretende assistir novamente à trama? É muito autocrítico ao rever um trabalho antigo?
Eu acabei de rever a trama toda no Globoplay, porque eu queria saber se eu ainda continuava achando boa. E eu continuo! Eu acho que depois desses anos todos que passaram, ela se sedimenta mesmo como um ótimo trabalho, muito consistente. Eu sou muito crítico sim, sempre, eu consigo ver o que poderia ser melhor, mas hoje em dia eu consigo reconhecer o que é consistente, o que foi um acerto no meu trabalho e no de todo mundo. Eu não fico só me criticando. ‘Verdades Secretas’ teve muitos acertos, várias cenas que eu acho que são perfeitas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio